Site feito para fãs do seriado conversarem e jogarem RPG.
 
InícioInício  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Evento [Halloween]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte
AutorMensagem
Caroline Forbes
Vampiro
Vampiro
avatar

Mensagens : 2274
Data de inscrição : 06/04/2011
Idade : 22
Localização : De frente pro PC

Ficha do personagem
Nivel: Médio

MensagemAssunto: Evento [Halloween]   Ter Out 09, 2012 4:32 pm

Relembrando a primeira mensagem :

Happy Halloween,
31 de Outubro à 1 de Novembro

Na Robert E. Lee High School, é uma obrigação ter uma festa em comemoração ao Halloween, onde os alunos se encontram a noite e festejam ao melhor estilo e com suas melhores fantasias, vale de tudo, desde fantasias assustadoras, as mais sexys e divertidas.
Chegando na escola, você irá para o ginásio, onde o comitê da escola organizou tudo nos mínimos detalhes para que hajam bebidas o suficiente ( e provavelmente batizada), musica boa, e alguns sustos.
Você pode optar por passar no Túnel do horror, onde você entra, e inúmeros monstros estão lá para te assustar, entre eles está o Drácula, acreditem na ironia, Samara, zumbis, fantasmas e se você conseguir sair de lá sem chorar, pode-se considerar um campeão. Muitos acham bobo a brincadeira, mas sempre, há uma grande fila para entrar no túnel.

Entrem, e divirtam-se, no melhor estilo que o Halloween pode proporcionar. E não se esqueça que a cidade toda está em festa, então, depois da escola, muitos ainda ficam nas ruas, assustando as crianças, e bebendo com amigos

E realmente, se você não sabe que deve tomar cuidado, eu só tenho a dizer-lhe uma coisa: Boa sorte!
duska do aglomerado.



some kind of happiness
Vampira. Controladora. Preferencia para Híbridos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://thevampirediariesrpg.forumeiros.com

AutorMensagem
Matthew Bradley
Lobisomem
Lobisomem
avatar

Mensagens : 49
Data de inscrição : 20/10/2012
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Ter Out 23, 2012 12:55 pm


Trick or treat? Prefer treat!
Flames burn higher, skies on fire, flames get higher...

Viajem longa, corpo doído, mãos quase dormentes. Cerca de quatro horas viajando em cima de sua moto e Matthew não parecia nada indisposto. Chegara a Mystic Falls ao entardecer e acabou por parar em uma pensão para pedir informações e arranjar um quarto para ficar. Enquanto fechava negócio com a recepcionista – nada amigável – escutou sem querer, a conversa entre duas jovens que, animadas, riam baixinho comentando sobre uma festa. – O colégio vai estar incrível! Participei da decoração e, com certeza, a festa será de matar! – Ambas riram mais ainda com o divertido trocadilho relacionado ao Halloween. Balançou a cabeça, retirando com cuidado os óculos escuros do rosto. A senhora atrás do balcão de madeira entregou-lhe uma única chave, enferrujada demais para conseguir destrancar algo e apontou com o dedo indicador a direção das escadas, que o levaria para o segundo andar, e para seu ninho. Não esperou mais, agarrou a chave e subiu as escadas de dois em dois degraus, cantarolando uma música antiga que costumava ouvir junto com a mãe quando ainda era criança. Teve um pouco de dificuldade para fazer a chave girar no miolo da porta, a ferrugem estava atrapalhando, tinha certeza. Olhou para os lados, conferindo se não havia ninguém o observando e só então forçou a porta com o ombro, abrindo-a de uma só vez. O quarto, apesar de pequeno, estava limpo e organizado. Matthew entrou, fechando a porta com o pé enquanto jogava a mochila sobre a cama de casal, rapidamente retirou a jaqueta e pendurou-a na única poltrona encostada no canto do quarto, perto de uma escrivaninha de carvalho com duas gavetas e um velho abajur. Suspirou, analisando o papel de parede discreto e o assoalho de madeira, que estava bem encerado. Do outro lado do quarto uma cômoda que seguia o padrão de carvalho da escrivaninha estava vazia para que o hóspede guardasse suas roupas e ao lado, um minifreezer. – Nada mal – Riu baixo, caminhando pelo seu novo ninho, encontrando enfim, um banheiro. Todo azulejado em branco, uma ducha de água quente, o vaso sanitário e uma pia com espelho. Havia também um armário de madeira branca no canto, onde estavam guardadas algumas toalhas limpas e papel higiênico. Era exatamente o que o lobo precisava, um local simples e barato para passar alguns dias, antes de pegar estrada novamente.

Depois de um banho frio, Matt enrolou a toalha no corpo e foi para o quarto. Sentou-se na cama, passando as mãos pelos cabelos molhados, espirrando água para os lados dando uma risada. Notou sobre o criado mudo um papel negro com letras em roxo e laranja, algumas caveiras e abóboras macabras estampavam a borda da folha, deixando bem claro que era um folheto da festa de Halloween. O lobo apanhou o papel, lendo mentalmente o que estava escrito. – Hum, o colégio está mesmo em festa. – Analisou as alternativas por alguns segundos antes de amassar o folheto com um sorriso torto impresso no rosto. – Terão a honra de receber mais um lobisomem! – Arremessou o papel amassado em direção ao cesto de lixo ao lado da escrivaninha, acertando em cheio. Gostava de diversão, de festas, de mulheres, de bebida. O Halloween não era uma de suas datas preferidas, mas gostava da forma como os mais novos pregavam peças uns nos outros, aliás, adorava a parte “travessuras” da frase que era usada sempre nessa época do ano. Procurou em sua mochila algo que pudesse ser usado como fantasia, já que no folheto estava bem específico que pessoas não fantasiadas não poderiam entrar. Uma calça com suspensório, uma gravata vermelha e um chapéu estilo panamá foi o suficiente para o lobo transformar-se em um go-go boy de sorriso malandro, falar manso e gingado na hora de andar. Quando desceu para a recepção, encontrou com a mesma senhora que o atendera mais cedo, estava usando um enorme nariz de bruxa e um chapéu preto. – Doces ou travessuras? – Ela sorriu fitando o tórax nu de Matthew, estendendo uma cestinha com balas e chocolates na direção do lobo. – Ficarei com as travessuras... – Lançou uma piscadela para a senhora e lhe deu às costas, saindo da pensão. As ruas da cidade estavam bem iluminadas e enfeitadas, aquele clima de filme de terror não incomodava Matt, as fantasias de monstros que passara por ele não eram nada se comparadas à besta assassina que habitava seu corpo. Vagou pelas ruas como um espírito desencarnado, exceto pelo excesso de sex appeal que possuía. A cidade tornou-se mais silenciosa e a escola mais barulhenta, conforme o lobo se aproximava de seu destino, passou pelos portões, olhando brevemente o túnel do terror montado especialmente para assustar os mais fracos. Estava prestes a entrar quando uma garota vestida de fada aproximou-se entregando-lhe um copo com ponche, sorrindo, disse que precisava acabar com a bebida. Matthew aceitou o copo, mas não bebeu de imediato, o cheiro de wolsbane era forte naquela bebida, fazendo o lobo voltar os olhos para a garota. Ela segurava uma bandeja cheia deles, estava distribuindo, provavelmente querendo barrar a entrada de lobisomens ali. – Só prove! – Ela insistiu. Matthew cedeu, entornando o líquido de uma só vez na boca, engolindo rapidamente. Todo seu corpo ardeu por dentro, como mil fagulhas em chamas, ou como a própria brasa sendo engolida. Não esboçou reação, abriu um sorriso largo, entregando o corpo à garota. – Uma delícia! – A jovem assentiu, falando algo sobre os ingredientes usados. Matt virou o rosto na direção do estacionamento, estreitando os olhos, sentindo cheiro de sangue. – Hã, eu já volto... – Deu dois leves tapinhas no ombro da garota e afastou-se em passos largos, seguindo o forte cheiro que o deixava em alerta. Sabia que estava se metendo em confusão, mas, desde quando Matthew Bradley recusava confusão?

Sentia-se num labirinto de carros, a maioria modelos antigos com vidros escuros, mas Matt teve certeza de ver uma Ferrari vermelha no meio de toda aquela floresta de veículos. Parou de caminhar, olhando para os lados, inalando o ar mais lentamente. O cheiro tinha sumido, mais uma vez sua cabeça lhe pregando peças. Bufou, virando o corpo para sair dali quando alguém se chocou contra seu peito. Afastou-se a tempo de fitar a ruiva vestida de Chucky lhe apontar uma faca. – Uou! – Ergueu as mãos na altura da cabeça, sorrindo torto, deixando o olhar descer pelo esbelto corpo da garota. – Pra trás! – Ralhou entre dentes, ameaçando furar seus olhos com a arma que não era de brinquedo. Qualquer movimento brusco que Matthew viesse a fazer lhe renderia um rosto retalhado, decidiu ficar calado. E agir. Agarrou o pulso da ruiva e tomou a faca de sua mão, afastando-se. Girou-a pelo cabo entre os dedos, divertindo-se. – Pensei que as pessoas daqui fossem mais hospitaleiras... – Desviou os olhos da lâmina brilhante da arma, fitando os olhos azuis da garota. Mas, encontrou algo ali que não gostou nada. Ela tremia e parecia ter chorado há pouco, sua respiração era alta, Matthew podia ouvi-la muito bem, assim como o coração que batia loucamente descompassado dentro do peito da ruiva. – Você ta bem? Parece... assustada. Não com essa decoração ou com alguma fantasia, você está realmente com medo, não é? – Aproximou-se lentamente, tomando cuidado para que não fosse surpreendido novamente.


Jessica, Mikhail + VESTINDO + AC/DC - Skies On Fire

template feito pela FLÁ! do TDN

Voltar ao Topo Ir em baixo
Jessica Craigdalle

avatar

Mensagens : 364
Data de inscrição : 26/08/2012

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Ter Out 23, 2012 4:37 pm


Everything ends...
When the sun is perched at it's highest peek. As we walk in the dimming light.

--------------------------------

Permanecia com a faca estendida na direção dos olhos do rapaz, pronta para retalhá-lo caso tentasse algo imprudente. O sorriso que ele mantinha nos lábios desmanchou-se quando notou a autenticidade da arma apontada em sua direção, apesar de estar esforçando-me para tal ato, eu estava prestes a desmanchar-me novamente, como no banheiro, quando Hanna encontrou uma Jessica totalmente fraca e exposta à sentimentos. Apertei o cabo da faca, quase quebrando meus dedos, observando que o rapaz ficava imóvel ao me observar. De repente, eis que agarra meu punho e nesse exato momento, tudo pareceu mais lento, talvez até completamente parado. Os olhos azuis do go-go boy refletiram uma áurea pura, um lobo solitário que carregava diversas mortes em suas costas, mortes que ele não conseguira evitar. Enquanto via a alma do rapaz, lembrei-me do lobisomem que derrubara Eva no Grill, na manhã seguinte ao baile de máscaras. Meu corpo enrijeceu e todas as imagens que passavam diante dos meus olhos simplesmente desapareceram e o que eu via era o rapaz girando a faca pelo cabo, sentindo-se imponente por ter tomado o controle da situação. – Pensei que as pessoas daqui fossem mais hospitaleiras... – Desviou seus olhos da lâmina brilhante da faca para olhar-me. Um arrepio percorreu meu corpo com o olhar minucioso do lobo, ele compreendera de imediato o que estava se passando, como qualquer outro ser sobrenatural possuía sentidos apurados, alterações em meus batimentos cardíacos e em minha respiração seriam facilmente percebidas. – Você ta bem? Parece... assustada. Não com essa decoração ou com alguma fantasia, você está realmente com medo, não é? – O go-go boy avançou um passo, obrigando-me a recuar. Busquei por minha voz, mas não conseguia encontrá-la, estava perdida no meio do bolo de coisas que passavam por minha cabeça. Gritar ou correr? Lutar ou ceder? Implorar ou... Quando me dei conta, as lágrimas escorriam por minhas bochechas, denunciando toda a confusão que se instalara dentro da Jessica fraca.

Comprimi os lábios com força, virando o rosto para o lado, desejando apenas sumir de toda aquela confusão. – Eu estou bem – Falei baixo, usando um tom amargo, tentando não olhar o rapaz nos olhos novamente. – Eu não tenho medo! – Algo em mim ardeu como o fogo que eu conseguia criar, meu coração ardeu, eu não devia e nem podia ter medo, Hunter ensinou-me a ser corajosa, ensinou-me a enfrentar todos os obstáculos sem nunca desistir. – Eu não... – As palavras sumiram de minha boca quando a imagem nítida de Mikhail se aproximando do estacionamento passou diante de meus olhos, fazendo-me tropeçar para frente e agarrar os braços do rapaz. – Por favor! – Supliquei, arrancando a faca de suas mãos, esperando que ele compreendesse meus motivos. – Por favor, precisa me tirar daqui, me levar pra algum lugar seguro. Tem pessoas feridas lá dentro e eu preciso procurar ajuda! – Vomitei as palavras de uma só vez, não havia tempo para engomar meu pedido, Mikhail estava perto e mataria qualquer um que estivesse em seu caminho. – Por favor... – Olhei dentro dos olhos do lobisomem, notando a profundidade do azul. – Me ajuda. – Foram as últimas palavras que consegui dizer antes de sentir o cheiro de morte já entre os carros. – Não há tempo! – Agarrei a mão do rapaz, puxando-o para trás de um Chevy Malibu vermelho, nada discreto. Abaixamos-nos, ganhando tempo para que eu conseguisse concentração suficiente para conjurar um feitiço. Um feitiço forte, sem falhas, que pudesse frear o vampiro pelo menos por um tempo, até que conseguíssemos retirar os feridos da festa. – Concentre-se Jessica... – Sussurrei, apertando as têmporas, fechando os olhos com força. – Dawnsio fflamau! – Conjurei com força, erguendo o corpo, içando os braços para o alto, como se comandasse que algo se levantasse. – Dawnsio fflamau! Llosgi ein gelyn! – Como uma serpente, o fogo rastejou fraco, criando uma linha que dividia o estacionamento ao meio, porém, quando minhas últimas palavras foram proferidas, as pequenas chamas que rastejavam criaram forças, erguendo-se à quase dois metros de altura. Soltei um suspiro pesado, deixando que os braços caíssem ao lado de minha cintura, enquanto observava a figura de Mikhail do outro lado da cortina de fogo. As chamas dançavam, como se estivessem vivas, mas a beleza do espetáculo não era nem comparada ao estrago que causaria logo em seguida.

Virei o rosto na direção do lobisomem, que estava paralisado com o que assistia. – Além de saber usar uma faca, também sei brincar com fogo. – Tentei sorrir com a piada, mas acabou saindo como uma careta estranha. – A gente precisa sair daqui... – Novamente segurei a mão do rapaz, querendo guiá-lo para um local longe de confusão. Ele não precisava se machucar só por estar no lugar errado, na hora errada. Houve um pequeno estouro e estilhaços de vidro foram lançados pelos ares. Os vidros dos carros próximos ao calor estavam sendo destruídos, em breve as chamas alcançariam os tanques de gasolina e... – Rápido! – Comecei a correr, olhando para trás, desejando que o vampiro fritasse. Voltei a olhar para frente e a surpresa acertou-me como um tapa no rosto, literalmente. Mikhail estava ali, muito mais adiantado que qualquer um de nós, encarando o lobisomem com os dentes expostos, pronto para matá-lo. – Não! – Levei a mão até a bochecha, massageando a pele que ardia, além da dor, o tapa deixou-me tonta. – É a mim que você quer! Deixe-o em paz! – Berrei com o vampiro, sentindo todo o meu ser vibrar de medo e pavor por estar enfrentando-o cara a cara. Meti-me entre ambos, protegendo o rapaz com meu próprio corpo. – Você não vai machucar mais ninguém. – Aquilo era uma afirmação, eu não permitiria que mais alguém daquela festa saísse ferido, a imagem de Hanna despencando das arquibancadas fazia eu me sentir a pior pessoa do mundo por tê-la deixado sozinha. Esqueça, você precisa sair daí!, a consciência indicava-me outro caminho, mas nunca fui uma pessoa muito consciente. O lobo não merecia ser morto por Mikhail, não por minha causa, nem nos conhecíamos. Isso mesmo, vocês nem se conhecem! Por que está ajudando-o?, vinquei as sobrancelhas, confusa com as perguntas mentais que fazia a mim mesma. – Nada acontece por acaso. – Sussurrei entre dentes, pronta para enfrentar os terríveis olhos do vampiro.

--------------------------------


TAGGED Eva, Camille, William, Thomas, Mikhail, Hanna e Matthew
MÚSICA Meet me on the Equinox - Death Cab for Cutie
SET roupas
CRÉDITO à GIULIA --- TERRA DE NINGUÉM && OPS!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Mikhail Shevardnadze

avatar

Mensagens : 73
Data de inscrição : 03/09/2012
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Ter Out 23, 2012 8:23 pm


Trick or treat? You will die!

I don't care if it takes all night
'Cause there's bad blood
Pumping in your veins
It's alright


Mikhail já estava ficando nervoso com a brincadeira de esconde-esconde. – Jessica! – Chamou-a com a voz firme, enquanto rondava o corpo de William estirado sobre sua capa negra. – Nossa amiga não quer aparecer, que pena. – Abaixou e ergueu o corpo do humano com facilidade, carregando-o até o estacionamento, onde arrebentou a tranca do porta-malas e colocou o corpo do rapaz desacordado lá dentro, fechando-o logo em seguida. Desviou o olhar do carro que acabara de estragar e observou o estacionamento repleto de veículos, abrindo um sorriso um tanto sarcástico enquanto avançava tranquilamente para o meio dos carros. Já conseguia sentir o cheiro da bruxa, Jessica possuía um perfume único, porém alguém estava mascarando seu cheiro, alguém que não era nem vampiro e nem bruxo. – Lobisomem. – Mikhail sussurrou para si mesmo, torcendo os dedos, sentindo a raiva subir-lhe pela cabeça. Mas, deteve-se. Respirou fundo, enfiando as mãos nos bolsos da calça, abrindo um sorriso perfeito e assassino, voltando a caminhar por entre os carros. – Oh, Jessica, doce Jessica. Seu sangue será meu novamente! – Cantarolou, sentindo-se personagem de algum filme épico sobre vampiros caçadores. O semblante de Mikhail era o mesmo de sempre, frio, sem emoção alguma a não ser a vingança escrita com sangue em seu sorriso e o traço de deboche e sadismo em seu olhar magnético. Novamente cerrou as mãos em punho, fechando brevemente os olhos enquanto estalava o pescoço, de um lado para o outro, fazendo o barulho ecoar pelo estacionamento vazio.

Parou de caminhar quando escutou palavras numa língua estranha, um galês antigo, pronunciado com firmeza. Jessica estava fazendo um feitiço. – Ótimo, vamos ver o que nossa ruivinha sabe fazer. – Jessica ergueu-se de trás de um Chevy Malibu vermelho, levantando as mãos, fazendo o fogo rastejar como uma serpente, dividindo o estacionamento, de um lado a bruxa e o lobisomem, do outro o vampiro psicopata. As chamas cresceram, obrigando Mikhail afastar-se alguns passos, uma mão erguida diante do rosto, enquanto fitava Jessica por trás das labaredas. Observou pacientemente que a bruxa saísse de trás do carro com seu mais novo amigo, correndo pelo estacionamento numa tentativa inútil de conseguir se salvar. O vampiro não estava nem perto de desistir de levar a bruxa com ele e sem pensar duas vezes, atravessou as chamas como um raio, parando poucos centímetros à frente da bruxa. Mikhail preparou a mão e acertou um tapa no belo rosto de Jessica assim que a ruiva olhou para frente. Como era mais forte, o tapa deixou-a tonta e com a bochecha vermelha, um filete de sangue escorria de sua narina esquerda. Mas, não fora o cheiro de sangue que despertou o monstro em Mikhail, seus dentes e seus olhos mudaram quando o rapaz que acompanhava Jessica mostrou-se petulante o suficiente para encará-lo. – Não! É a mim que você quer! Deixe-o em paz! – A bruxa manifestou-se antes que Mikhail pudesse transformar o rapaz em um simples punhado de pele e ossos, desviando toda a atenção do vampiro para ela.

O vampiro gargalhou alto diante da atitude imprudente da bruxa, tentar proteger um lobisomem... Que estupidez! – Você não vai machucar mais ninguém. – Parou de rir aos poucos, encarando os olhos azuis de Jessica, estampando um pequeno sorriso provocativo no canto dos lábios. – Está se referindo a vampira loira, a William ou a Eva? Porque eu machuquei todos os três, minha querida, pode apostar! E a próxima será você! – Não aguentava mais manter suas presas longe do pescoço da bruxa. Sua veia artéria pulsava, deixando Mikhail com muita vontade de drená-la ali mesmo. Mas, tinha assuntos mais importantes no momento.A bruxa agora estava entre ele e o lobisomem, então Mikhail não pensou duas vezes antes de empurrar Jessica com força sobre um carro, avançando em direção ao rapaz fantasiado de go-go boy. Ambos eram rápidos e fortes, a luta estava equilibrada, Mikhail desviava de socos e tentava quebrar o pescoço do rapaz, assim como o lobisomem, que investia em acertar-lhe no rosto.


vestindo: isso
escutando: Celldweller - ShutEmDown
postando com: Camille, Eva, William, Jessica, Thomas, Hanna e Matthew
notas: carro
thanks, baby doll @ EDVTF
Voltar ao Topo Ir em baixo
Tate K. Langdon

avatar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 01/02/2012

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Ter Out 23, 2012 10:17 pm




Last Night



April disse sobre ir comer alguma coisa. - Não, não, tenho que ir ali fora rapidinho. - Digo a ela, antes de sair a beijo novamente e lhe entrego um colar com verbena. - Nunca tire isso, para sempre se lembrar de mim. - Falo e beijo sua testa. Ela segue para a mesa de comida e eu caminho para o lado de fora.

Havia muita gente no Ginásio e isso sempre me incomodou muito. Cheguei ao lado de fora e pude respirar, uma boa quantidade de ar fresco da noite entrou em meus pulmões. Pude pensar no que eu perdi quando saí daqui e no que perdi quando me alistei aos caçadores. Perdi minha casa, minha familia, meus amigos e agora a unica coisa que eu tinha era April, e eu não sabia o que sentia por ela. Será que seria amor? Me pergunto tentando entender.

Tag:April Notes:SoundTrack: Save Me - Avenged Sevenfold


Thanks, Dricca - Terra de Ninguém

Voltar ao Topo Ir em baixo
Bonnie Bennett

avatar

Mensagens : 66
Data de inscrição : 07/04/2012

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Ter Out 23, 2012 10:45 pm






I wanna


Escutei cada palavra que Elena dizia e cada silaba dita, um pressentimento ruim crescia em mim. Quando fui dizer sobre o que estava sentindo Elijah apareceu. Revirei os olhos em desacordo a presença do original. Porem de todos eles, esse era o que eu menos ligava, mesmo tudo estar acontecendo por culpa dele. Caso ele não tivesse traído a mim e meus amigos, Klaus estaria morto, Elena não sofreria nada, Jenna estaria viva e eu não estaria essa pilha de nervos que em encontro. Porem o que o vampiro disse apenas confirmou o que eu pressentia.


Elijah o Original, que sempre tenta ajudar. - Digo com uma ponta de ironia na voz, que seria imperceptível. Olhei para Elena, eu teria que inventar algo para tira-la daqui, eu não diria ao vampiro que estava certo.- Elena não estou me sentindo bem, e não vim com meu carro. - Isso ai era verdade, eu tinha vindo de táxi. - Você poderia me levar ate em casa? Se a Car quiser pode ir la também. - Digo, respirando fundo, para dar enfase em algum tipo de dor.


be just normal again.



TAGS: Elena, Caroline, Jenna, Klaus Original e Elijah. | NOTAS | Clothes: Halloween Costumes







template feito por nutz do AGLOMERADO







Voltar ao Topo Ir em baixo
ElenaGilbert

avatar

Mensagens : 83
Data de inscrição : 07/05/2012
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Qua Out 24, 2012 2:18 am





The Vampire


Looks like Katherine Pierce


• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •





Bonnie parecia um pouco estranha, será que estava bem? Claro que não, tanto ela quanto eu sofremos bastante. Sorri de canto a minha amiga e nesse momento Elijah apareceu. Sorri, feliz em vê-lo.

- Elijah, olá! - Falei enquanto o abraçava rapidamente.

Olhei para ele perplexa. Mal pude cumprimentá-lo e ele me alertara sobre o perigo que viria. Olhei para Bonnie e consenti com a cabeça e depois voltei o meu olhar para Elijah quando notei que ele estava me encarando por estar parecida com a Katherine. Eu tinha que me explicar, devia isso a Elijah, não devia? Embora ele fosse irmão de Klaus, ele não era mal. Não, Elijah me protegia. Ele era meu amigo.

- Olha, sei que estou parecida com ela, mas é apenas um piada. - Meu olhar foi até Damon e depois suspirei.

Era melhor não falar que apenas queria provocar Damon e Stefan, seja lá onde ele estiver, era infantil demais. Sorri parecendo uma idiota e voltei a olhar para Bonnie, ela realmente não parecia bem.

- A... Elijah, desculpe, mas tenho que levar Bonnie. Senti sua falta... - Falei passando minha mão em seu ombro rapidamente.

- Levo sim Bo, vou chamá-la e tentar arrancá-la de lá. - Sorri e caminhei em direção a Caroline e Klaus.

Fiquei diante da minha amiga e de Klaus, não iria me preocupar com ele, apenas queria tirar Caroline de perto. Olhei para Caroline sem dirigir uma palavra à Klaus. Respirei fundo, como se estivesse preocupada com alguma coisa, embora realmente estivesse. Eu não tinha tempo, tinha que ao menos tirar Caroline de perto desse híbrido desprezível.

- Car, Bonnie não está bem. Sei que você montou tudo e está magnifico e quer aproveitar hoje o máximo que puder, mas pode vir comigo e com a Bo? - Olhei com um olhar de imploração, não queria vê-la com ele.

Sei que ele iria protestar, ele tinha uma obsessão pela minha amiga, mas jamais a deixaria com ele. Mesmo que tivesse que enfrentá-lo e passar por tudo aquilo que ele me fez, era Caroline. Eu sempre lutaria por meus amigos e familiares, eu lutaria por uma Mystic Falls sem perigo. Fitei o olhar da minha amiga, continuava a implorar para que ela viesse comigo.

- Bonnie precisa da gente... - Falei por fim, com um sorriso de canto, embora sério.

Algo dentro de mim tinha que impedir que ela ficasse também, assim como Elijah me alertara do que estava pra acontecer. Eu precisava tirar Caroline daqui, mesmo que ela fosse uma vampira. Amigos se ajudam, amigos protegem uns aos outros. Era isso que deixei meu olhar transparecesse à ela.



• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •



tags: Bonnie e Elijah~ clothes ~ music theme ~ obs:


template by gapoccia do TDN
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ashley Langdon

avatar

Mensagens : 160
Data de inscrição : 03/05/2012
Idade : 27
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Qua Out 24, 2012 12:14 pm







Halloween Party


In this town,we call home,everyone hail to the Pumpking song



Então era isso,Elijah tinha me chamado para um lugar mais reservado para me dar um aviso,um aviso muito estranho,aliás.Que era pra..como foi que ele me disse mesmo?Ah sim,para eu circular mais um pouco pela festa e que era para depois eu ir pela saída e ir para casa,porque eu estava muito cansada e queria descansar.
Cara,como foi que ele adivinhou o que eu estava pensando?Ele lê mentes ou o que?Enquanto aquilo me intrigava,eu disse a ele,me fingindo de ofendida:
-O que houve?Não gostou da minha companhia?Já sei,eu falo demais,não é?Todo mundo diz que esse é um defeito meu.Mas por coincidência,eu iria fazer isso mesmo,mas vou sair um pouquinho mais tarde,para não chatear a Caroline. Lhe vejo na hora da saída,Fantasma.-disse com um tom brincalhão na voz e indo me encontrar de novo com as meninas que estavam na mesa de bebidas.

xxx

Mais,tarde,depois de ter circulado um pouco mais pela festa e de ter dançado mais algumas músicas animadas,ainda estava com sede e fui pegar um pouco de ponche.Por sorte,a Elena e a amiga dela se encontravam por ali.Cumprimentei Elena,com um abraço e disse a ela:
-Oi Elena,lembra-se de mim?Ashley Langdon,a garota que esbarrou em você no Baile de Máscaras.Bela fantasia,aliás.-acrescentei rindo,eu continuei,agora me apresentando pra a amiga dela:-Oi,eu sou a Ashley,mas pode me chaamr de Ash.Elena,vocês já iam sair?Eu estou um pouco cansada e queria saber se vocês poderiam me dar uma carona até em casa.A festa foi boa,não acham?
Enquanto combinava minha saída com as meninas,Elijah tinha ido pra lá,avisar alguma coisa para elas também.Esperei ele terminar de falar com as meninas e ambas cumprimentarem ele.Me aproximei dele e disse:
-Obrigada por esse pequeno momento comigo,Sr.Mikaelson.Espero ter uma segunda oportunidade de conhecê-lo melhor.-pisquei marotamente para ele enquanto conversava com as meninas.



TAGGED: Elena,Caroline,Bonnie,Elijah NOTES: Saindo da festa WEARING: this CREDITS: -Rafah @ OPS



31/12 & 00:00



Voltar ao Topo Ir em baixo
Katherine Pierce
Vampiro
Vampiro
avatar

Mensagens : 483
Data de inscrição : 06/04/2011
Idade : 23
Localização : Logo ali..

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Qua Out 24, 2012 6:57 pm

All i wanna do is love your body

Entrei no meu quarto. Era estranho, havia tanto tempo que não estava ali, que não parecia mais meu. Dei os ombros. Aquela cidade me dava nos nervos, precisava relaxar, matar algumas pessoas, simplesmente não pensar. Ficar muito tempo ali, convivendo com aquelas mesmas pessoas, vendo aqueles mesmos rostos e pior aqueles mesmos dramas. Argh! Balancei a cabeça para me livrar do pensamento. Fechei a porta atrás de mim. Teria um baile hoje, engraçado, acho que adivinharam minha volta. Halloween... Oque eu iria usar, já era tarde, não havia muito tempo para pensar, olhei para minhas roupas.. Peguei um vestido de baile tradicional.
-Isto vai ter que servir. – coloquei rapidamente, e rasquei umas partes pra da um ar de Halloween. Eu iria de princesa, que hilário. Fui para o banheiro e fiz um rápido penteado. Passei perfume e sai.

_______________________________________________________________________________


Entrei no lugar, estava decorado como era de costume estar as festas dessa época, nada demais. Bebidas, olhei surpresa para o copo na mão da menina que passava por mim, aquilo era vodka, eu conhecia aquele cheiro muito bem. Para um baile de crianças não está tão mal. Procurei em volta a mesa onde devia estar as bebidas, fiz meu copo, agradeci aos céus aqui ter whisk, precisava de uma coisa forte para aguenta a noite toda aqui. As pessoas me olhavam como era de costume, algumas me cumprimentavam, outras ficavam olhando surpresas como se tivesse visto um fantasma, provavelmente essas já haviam visto a Elena hoje. Eu estava quieta em um canto qualquer, sinceramente não queria chamar atenção, não hoje. Enquanto estava observando as pessoas, reparei que o Damon não estava com fantasia nenhuma, bem mais prático, porém se não estivesse vindo a caráter ai sim que eu iria chamar atenção. Havia um menino também, com sobretudo preto, e com desenhos e uma cruz nele. Fiquei o observando algum tempo, ele não parecia tão a vontade ali. Talvez... Acho que não. Procurei novamente outras pessoas, elas me pareciam estar se divertindo. Vi que Damon estava olhando quase em minha direção e me virei de costas, não queria ser reconhecida. Andei um pouco para despista-lo, ele não devia ter prestado atenção suficiente para ver que era eu. Suspirei aliviada.
Quando me virei, o menino do sobretudo quase esbarrou em mim, ele não pareceu reparar. Sorri, bem talvez de certo... Eu o vi indo para fora e esperei até ele chegar ao seu destino. Ele respirou fundo, eu sabia que ele estava ali por algo estar o infortunando, e isso fazia as coisas mais perfeitas. Andei ate perto dele, e me encostei o ombro na parede. Ele me viu e me olhou surpreso, sorri para lhe dar confiança.

- Noite difícil? – Disse com uma voz amigável. – Ora onde estão meus modos? Prazer Katherine – Disse me fingindo que estava tímida pela situação, e esticando a mão. Ele olhou receoso e aceito, logo depois me deu um tímido sorriso. “Talvez, há final de contas, eu não perderei uma noite.” Pensei contente com a minha escolha.

-O que te traz aqui fora? Será que posso ajuda-lo em alguma coisa? – Eu disse contendo minha ansiedade ao máximo, mas creio que ele percebeu o pequeno entusiasmo demasiado em minha voz, ele me olhou cauteloso, talvez ele só pense que eu esteja afim dele. Eu queria brincar de qualquer jeito hoje, adoro esses teatros, eles são sempre tão... Convincentes.
Tonight's you're lucky night I know you want it

Tagg: Tate, Damon. Roupa:Kath veste comentários: Ok, todo mundo vai achar que estou boazinha... Continuem pensando assim.







how to be a heartbreaker

Boys they like a little danger
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Qui Out 25, 2012 5:29 am







Searching for a werewolf




Ok! Eu não planejava dormir no ônibus, mas também não tinha ideia de que a viagem até Mystic Falls iria durar tanto. Acordei de sopetão, com um sujeito me sacudindo, enquanto falava comigo. Era o motorista, me avisando de que já tínhamos chegado na cidade, e que se eu quisesse mesmo ficar por ali, deveria descer. O ônibus iria fazer uma parada de quinze minutos e depois iria seguir viagem. Então, se eu não quisesse ir parar na cidade vizinha, era melhor dar o fora enquanto podia. Agarrei a mochila, jogando por cima do meu ombro direito, e caminhei meio zonza de sono pelo longo e estreito corredor do ônibus. Agradeci ao motorista por ter me chamado e finalmente saí para a rua. - TRICK OR TREAT?!! - Um trio de pivetes fantasiados berrou na minha cara, assim que dei dois passos para longe do ônibus. Eu tentava passar, mas os pequenos Huguinho, Zezinho e Luizinho dos infernos - as fantasias deles lembravam os sobrinhos do Pato Donald - me cercaram enquanto pediam doces. - Ninguém mais dá as boas-vindas, não? Fala sério! - Bufei, revirando os olhos. Por sorte os pirralhos resolveram aterrorizar um casal que passava pela praça e acabaram esquecendo de mim. Então, aproveitei e saí de finhinho antes que eles resolvessem voltar.

Segui andando, sem rumo certo até parar na praça. Olhei em volta, pensando no que iria fazer, tentando ver algum lugar onde pudesse buscar informações, enquanto meus olhos acompanhavam o desfile de fantasias que andava pra lá e pra cá. As crianças andavam pelas ruas, usando suas fantasias de monstrinhos, às vezes sendo acompanhadas por algum infeliz mais velho que era obrigado a vigiá-las, enquanto batiam de porta em porta pedindo doces. Sinceramente, eu nem lembrava que era Dia das Bruxas, mas também não me importava. Nunca liguei pra esse tipo de festa, já que a minha vida era um verdadeiro Halloween. Sentei em um banco da praça e coloquei a mochila no meu colo. Eu estava cansada e já era tarde da noite, mas eu queria encontrar o Matthew. Isso, se ele realmente estivesse na cidade. - Tá legal, Cassie... Pense! O que você faria se fosse o seu irmão? Correria para o bar do outro lado da rua? Ou iria atrás de alguma fulana oferecida? - Eu disse enquanto observava uma loira passando por mim, vestida de Diaba. Se ela rebolasse um pouco mais, acabaria deslocando o quadril. Fiz uma careta, desviando o olhar e acabei encarando o bar que atendia pelo nome de Mystic Grill. - Nossa! Que original. Mystic Falls, Mystic Grill. Será que existe alguma coisa nesse lugar que não tenha a palavra "mystic"? - Indaguei com sarcasmo, já atravessando a rua.

Quando entrei no bar - que por sinal, estava quase vazio - algumas pessoas me olharam, mas logo continuaram o que estavam fazendo. Caminhei por entre as mesas até que cheguei ao balcão, onde estava uma garota morena, de costas para mim. - Com licença? Hey?! - Chamei alto até que ela se virou, ficando de frente pra mim. - Vai querer o que, gracinha? Refrigerante, suco, água ou leite? São as únicas bebidas que posso servir pra você. - A garota disse enquanto se debruçava sobre o balcão. - Não estou com sede e não bebo leite, mas pode me dar uma informação. Acabei de chegar na cidade e preciso de um lugar pra passar a noite. Conhece algum por aqui? - Pude ver a mulher arqueando as sobracelhas. Ela chegou mais perto e parecia estar me analisando, porém logo se afastou e puxou um cigarro, de algum lugar do balcão, acendendo-o em seguida. - Tem um hotel do outro lado da praça, mas se não quiser gastar muita grana, então é melhor ficar na pensão. Espera! Vou anotar o endereço pra você. - Ela escreveu o endereço em um papel de bloco, dizendo que a pensão ficava a algumas quadras dali do centro e que eu deveria pegar um táxi. - Não precisa. Eu tô legal. - Respondi ao pegar o papel. - Mas é noite de Halloween. É perigoso sair por aí sozinha. - Quando ouvi o que ela disse, quase tive vontade de rir. Se ela soubesse o que eu sou, não diria aquilo. - Eu sei me cuidar. A propósito, esse lugar não deveria estar cheio, já que é final de semana e Dia das Bruxas? - Guardei o papel na mochila, enquanto falava com a garota. - Estão todos na festa de Halloween, lá no colégio. Mas, com certeza o after party vai ser aqui. - Ela respondeu animada. Dei de ombros, agradeci pela ajuda e saí do bar.

Fui andando pelas ruas, seguindo a direção que a moça do bar havia me ensinado para chegar até a pensão. Logo me afastei do movimento do centro, mas não por muito tempo. Depois de passar por mais algumas quadras, acabei parando em frente a um grande prédio. Bom, parecia um prédio, só que um pouco mais baixo e extenso em ambos os lados. De qualquer forma, percebi que estava diante do colégio de Mystic Falls. Por um momento, fiquei pensando se deveria entrar e ver se Matthew estava na festa, porém eu nem ao menos tinha certeza se ele estava na cidade. Aquilo estava sendo um verdadeiro tiro no escuro, mas já que eu estava lá, não custava dar uma olhada. De onde eu estava, dava pra ouvir o barulho da festa e ver o vai e vem de algumas pessoas, chegando e saindo do local. Continuei andando pela calçada, acompanhando tudo com olhos curiosos até parar na entrada da festa, onde uma garota fantasiada de Mortícia conversava com algumas pessoas que chegavam. - Ah! Desculpem, mas não é permitido entrar sem fantasia. - Ela disse para uma dupla que acabava de chegar. Revirei os olhos e suspirei. Onde eu iria arrumar uma fantasia aquela hora da noite? De repente, uma ideia me ocorreu. O colégio era grande, então, provavelmente deveria haver outra entrada. Sendo assim, dei meia volta e resolvi contornar o estacionamento. Aquele lado estava fechado, então achei melhor dar a volta no quarteirão. Tinha que ter outro acesso ao pátio, afinal um lugar enorme como aquele, não podia ter somente uma entrada, certo? Segui andando pela calçada que contornava o colégio, mas aquele lado da quadra estava mais escuro e deserto. A festa tinha ficado para trás, além disso não havia uma viva alma naquela parte da rua, e quanto mais eu avançava, mais deserta a rua ficava. Resolvi pegar um atalho e atravessei a rua, indo parar nos fundos de uma casa. Por sorte, não havia nenhum cachorro, mas tinha um lençol branco no varal, o que acabou me dando outra ideia.

Tirei o lençol rapidamente do varal e o guardei na mochila, quase ao mesmo tempo em que pulava um muro baixinho, voltando para a quadra do colégio. Andei mais um pouco e fui parar em uma rua sem saída, onde ficava a continuação do estacionamento. - Ok... Vamos ver o que temos na mochila mágica. - Murmurei ao me abaixar entre dois carros, abrindo a mochila. Peguei o lençol e meu estojo, de onde retirei um pincel atômico preto e uma tesoura pequena que sempre carregava comigo. Peguei a tesoura e fiz dois furos no lençol, como se fossem olhos e outro como se fosse uma boca, depois usei o pincel atômico para fazer contornos borrados nas bordas dos olhos e da boca. Não tinha ficado lindo, mas a intenção era assustar, certo? Guardei tudo de volta na mochila e joguei o lençol por cima do corpo. Acabei rindo, me sentindo ridícula, mas pelo menos já tinha uma fantasia. Fiz todo o caminho de volta, sentido o vento esvoaçar de leve a minha fantasia de fantasma pobre. Ultrapassei os portões que davam para a entrada da festa e, com a maior cara de pau me aproximei da Mortícia, sem revelar quem estava por debaixo do lençol. Pude vê-la fazendo uma careta de desagrado quando me viu, e até achei que ela fosse dizer alguma coisa. Porém, ao invés disso, a garota apenas fez um sinal para que eu entrasse e sumisse logo da sua frente, o que me deixou bem satisfeita. Nem tinha passado direito o tal túnel do terror, e já me enfiei em um canto, retirando o dito lençol e guardando ele de volta na mochila. Poderia precisar dele novamente, então seria melhor guardar. Joguei a mochila nas costas e segui para dentro do ginásio. Se minha mãe estava certa sobre as pesquisas que fez a respeito de Mystic Falls, com certeza eu iria encontrar monstros de verdade naquela festa. Só torcia para que um deles fosse o meu irmão.







Lugar: Colégio Pessoas: Matt Música: Laika - Black Cat Bone Vestindo: Algo parecido com isso Notas: Halloween


TANKS FOR @ BEECKY, OOPS!

Voltar ao Topo Ir em baixo
Hanna McConnell Whiteley

avatar

Mensagens : 226
Data de inscrição : 06/06/2012
Idade : 23
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Qui Out 25, 2012 1:48 pm




I'll be your worst nightmare, bitch!


Eu realmente estava preocupada com Jessica, e por algum motivo, sentia que havia algo de muito errado naquela festa de Halloween que iam muito além da bruxa e de qualquer outra pessoa da cidade. Tinha certeza que Thomas não tentaria nada maluco, ele era um vampiro discreto, não mancharia seu nome ou atrairia atenção para si mesmo, não dessa forma. – Não, eu estou bem em relação ao acidente. Foram só alguns arranhões e duas costelas fraturadas. Já me recuperei quase completamente. – Jessica tentou sorrir, mas não conseguiu enganar nem a si mesma. Algo estava mesmo errado. Aproximei-me e sentei-me na cadeira ao seu lado, respirando fundo, pois sabia que ela me contaria mais alguma coisa caso eu insistisse. – Estava chorando porque meu pai, que está morto, vem aparecendo constantemente em meus sonhos, isso me deixa perturbada. E com saudades. – Minha boca se abriu num pequeno e discreto “o” enquanto meus olhos caiam sobre minhas mãos pousadas sobre as coxas. Eu sabia muito bem como era sentir saudades de alguém que jamais voltaria, alguém que estamparia apenas seus sonhos e suas lembranças. Hayley era assim para mim, uma figura angelical do passado. Do meu passado obscuro que acabou retirando sua vida por um descuido. Ergui a cabeça e olhei a expressão triste de Jessica. Parecia ainda mais preocupada e tensa que antes, o vento balançava seus cabelos ruivos, jogando-os para o lado, da mesma forma como jogavam os meus. Queria dizer algo para confortá-la, mas as palavras não fariam sentido num momento como aquele.

De repente, Jessica olhou em volta, como se buscasse por alguém que estava a chamando, segui seu olhar, buscando pela arquibancada sinal de humanos, ou qualquer outro ser, mas estávamos sozinhas, completamente sozinhas. Ou quase. Um homem vestido de preto saltou todas as escadas, caindo elegantemente em nossa frente. Tinha olhos extremamente azuis e estava mais do que claro, que não era um homem qualquer, era um vampiro. Meu corpo enrijeceu-se diante da criatura assassina que sorria sadicamente. – Boa noite, senhoritas. – Levantei-me da cadeira no mesmo instante em que a bruxa foi agarrada pelos pulsos e jogada sobre os ombros do vampiro. Mandava comandos para que meus músculos se mexessem, tentava pensar em algo, mas a diferença entre nós dois poderia ser de séculos, o que me deixaria numa grande desvantagem. Jessica berrava, tentando se soltar dos braços do vampiro, até que despertei do transe, ignorando todo o medo que estava sentindo, e acertei um murro nas costelas do homem. Ele soltara Jessica de uma só vez no chão, fazendo-a gemer de dor, aumentando minha raiva enquanto me preparava para lutar. – Acho que quer brincar também, não é? – O vampiro falou sorrindo novamente ao ouvir meu rosnado. Mostrei os dentes, ficando em posição de ataque para arrancar sua cabeça se fosse necessário. Olhei brevemente para Jessica que se levanta, suplicando pelo olhar para que fugisse. E assim, a bruxa fez.

Sabia que aquela luta seria em vão para mim, ele era muito mais forte e rápido. Mas, ver Jessica correndo para longe de nós dois, aliviou um pouco o medo que estava sentindo por ela. Era a segunda vez que eu salvava a vida daquela bruxa sem esperar nada em troca. Tentei acertar vários socos rápidos na direção de seu rosto, mas o vampiro conseguia desviar de todos sem muito esforço, até que fui surpreendida pela defesa do vampiro, que agarrou meu pulso ainda no ar e o torceu. Gritei o mais alto que pude, espremendo os olhos de dor, não conseguindo ignorar o ferimento que fora causado em meu osso. – Grite mais! Grite bem alto! Vamos! – O estalo foi alto, meu ombro e meu cotovelo estavam destruídos. Abri os olhos, deixando as lágrimas escorrerem e fitei o rosto do homem. Mantinha o sorriso doentio de antes, divertindo-se com minha dor. Com um rápido movimento, fui lançada contra os degraus inferiores da arquibancada, chocando-me contra as cadeiras, rolando sem conseguir frear minha queda. Bati a cabeça várias vezes em estruturas metálicas que não conseguia distinguir, o plástico reforçado dos acentos, quando destruídos, perfuraram minha pele. Atravessei a tela de proteção só parando na pista de corrida. Abri os olhos, tentando entender o borrão vermelho que cobria meu olho esquerdo. Era sangue. Minha testa estava cortada e o sangue cobria minha visão, meu ombro e meu cotovelo latejavam, meus joelhos ardiam. Mas, a pior dor de todas era na cabeça. – Thomas... – Tossi algumas vezes, expelindo um bocado de sangue antes de desistir de tentar me mover. Deitei o rosto úmido de sangue na terra seca da pista de corrida e fechei os olhos. Afundei num estado de inconsciência profundo, onde ao menos, nada doía.


Tags: Jessica, Thomas, Camille, Eva, Mikhail Wearing: costume Notes: UTOPIA - Within Temptation (Feat Chris Jones)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Jazzie M. Evans
Lobisomem
Lobisomem
avatar

Mensagens : 271
Data de inscrição : 27/01/2012
Idade : 28
Localização : Secret...

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Qui Out 25, 2012 5:02 pm

decipher me...


Então o rapaz estranho, que intimou Cassie para uma conversa particular, longe de mim, agora dançava com ela. Eu não tinha certeza se eles estavam conversando, porque ele estava de máscara e ela de costas para mim. Mas parando para analisar o modo que eles estava próximos, como ele movia a cabeça e a dança deles totalmente fira do ritmo, só poderia significar. Ou isso, ou realmente não tinham nenhum senso de ritmo.
Me aproximei um pouco deles e falei rápido:
- Minha garganta está seca, se precisarem de mim estarei na mesa de bebidas. - Então sai andando na direção da mesa a qual eu já havia visitado no início da festa.
A maior parte das pessoas estava em suas mesas conversando ou se mexendo na pista de dança. Eu apenas ignorei e puxei um dos copos ao lado da cabeça jorrando ponche e me servi do mesmo. Assim que o líquido avermelhado entrou em contato com a minha língua pude sentir três sabores: o do ponche, o álcool - provavelmente acrescentado pelos alunos que estavam por lá - e o último me fez derrubar o copo. Senti como se minha língua estivesse queimando e, ao mesmo tempo, sendo picada por vespas. Era wolfsbena. Nunca havia entrado em contato com a erva, mas já havia lido sobre ela.
- Ai, se eu descubro quem foi o artista... - Disse baixo, mas com muita raiva. Senti meu sangue ferver de raiva, mas era bom tentar me acalmar um pouco. - Ai, como eu sou desastrada... - Falei um pouco mais alto para tentar disfarçar o real motivo, das pessoas que olhavam. Sai de lá direto para o banheiro. Precisava, desesperadamente, lavar a minha língua.

Feat Nobody • vestindo: Na Ass • Local: Festa de Halloween • template por: _ANA @ TDN
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Sex Out 26, 2012 1:31 am




Peek-A-Boo! You'll be Dead Soon




Pouco antes de arrastar o pobre Thomas para o meu pesadelo, tive a impressão de que a vampira - que acabou me dando um "Oi" e apresentando-se como Hanna - havia dado graças à Deus por eu tê-lo tirado de perto dela. Até me disse que eu poderia ficar com o vampiro, e o dispensou sem nenhuma cerimônia, enquanto me dava uma piscadela e elogiava a minha fantasia. Eu teria achado graça, se não fosse pela a situação caótica em que me encontrava. Aliás, eu estava odiando aquilo. Odiava ter que envolver Thomas em meus problemas, já que sempre os resolvi sozinha - ou pelo menos achava que resolvia. De qualquer forma, não tinha jeito, fui obrigada a pedir ajuda para o vampiro, que aliás, não parecia nada feliz com aquilo tudo, e eu não poderia criticá-lo por isso. Enquanto eu falava, notei que Thomas desviou seu olhar para prestar atenção em alguém. Acompanhei seu olhar e pude ver Hanna esgueirando-se para longe de nós até desaparecer entre as pessoas. Ao perceber a expressão do vampiro, me senti ainda pior. Pensei em me desculpar, já que era óbvio que tinha atrapalhado alguma coisa, mas de nada iria adiantar e eu estava com outras preocupações em mente.

- Troca de favores com bruxos, Camille? - Ouvir Thomas dizer aquilo soou ainda pior. Era quase como levar um puxão de orelha. - Eu sei, não foi nada inteligente, mas eu estava em um péssimo momento e precisava de ajuda. Aliás, ainda preciso. - Disse em uma tentativa de amenizar a situação, mas a verdade é que qualquer coisa que eu pudesse usar como desculpa, não seria o suficiente para ajeitar a confusão em que estava metida. Ao me ouvir falar em galês, ele pareceu tão surpreso quanto eu, mas por fim, pareceu dar-se por vencido. Suspirou, bufou e revirou os olhos até que agarrou meu pulso, dando algumas respiradas. A mordida veio rápida e forte, fazendo-me trincar os dentes de dor ao sentir os caninos de Thomas abrindo caminho em meu punho. - Nossa... Você é bom nisso. Aliás... é muito bom... - Murmurei enquanto sentia a dor se dissipar rapidamente. O vampiro foi sugando meu sangue, porém logo se afastou, parecendo profundamente perturbado com algo. - Thomas, o que foi? O que está sentindo? Você viu alguma coisa? - Perguntei angustiada. Pela expressão no rosto dele, eu diria que o impacto foi realmente grande. - Thomas, por favor, responda! - Gritei, sacudindo o braço dele, como se quisesse tirá-lo de um transe. - Mikhail... - Ele sussurrou do nada. Aquela não era a resposta que eu esperava, e a simples menção daquele nome maldito, quase me fez perder a razão. Desviei meus olhos do vampiro, por alguns segundos, enquanto tentava em vão me acalmar. Thomas havia descoberto sobre Mikhail, mas não podia ser. Meu criador não podia estar envolvido naquilo tudo. Aquilo não era possível porque Mikhail estava morto. MORTO!!! Eu ainda lutava, tentando ignorar todos os sinais evidentes, mas a verdade é que eu estava perdendo a batalha.

De repente, senti Thomas aproximar-se de mim e voltei a atenção para o vampiro, deixando que seu olhar assustado encontrasse o meu. Ele ainda parecia em transe, conectado a alguma coisa invisível que somente ele conseguia ver. - O que foi? - Sussurrei para não quebrar a conexão, ao mesmo tempo em que tentava disfarçar minha voz embargada. Seus profundos olhos azuis tentavam me mostrar algo, mas foi a voz de Thomas que me deu a resposta. - Jessica está no banheiro feminino! - Ele disse confuso e tossindo, enquanto já me puxava pela mão, abrindo caminho por entre a multidão. Passamos pela saída e entramos nos corredores, andando rapidamente. O vampiro guiava o caminho, ainda segurando a minha mão, mas eu sentia que ele estava sendo guiado por alguma coisa. Ele sabia exatamente aonde ir e qual caminho seguir, então isso nos poupou tempo. Porém, quando chegamos no banheiro feminino, já era tarde demais. Não havia sinal de Jessica, pelo menos não para mim. Thomas, por outro lado, parecia ter captado alguma coisa. Eu já ia perguntar onde Jessica estava quando o vampiro simplesmente agarrou a minha mão, voltando a me arrastar pelos corredores do colégio. Mas dessa vez, algo estava diferente. O vampiro parecia muito aflito e acelerou em sua velocidade sobre-humana, obrigando-me a acompanhá-lo do mesmo modo. Atravessamos a porta dos fundos e praticamente voamos por alguns metros até que Thomas parou, soltando a minha mão.

Olhei para ele, mas a atenção de meu amigo estava fixada em outra coisa. Ele parecia em choque e logo voltou a correr, disparando em direção a pista de corridas do colégio. Nesse momento, um cheiro de sangue chegou até as minhas narinas, mas não era um sangue qualquer. Corri até a pista e encontrei Thomas ajoelhado perto de um corpo. A cena me fez congelar no lugar, por alguns segundos até que tomei coragem de me aproximar. Aos poucos fui reconhecendo a fantasia de Freddy Krueger. - Não... - Minha voz soou baixa e triste. Era Hanna quem estava ali, deitada no chão. Estava viva, mas cada centímetro do corpo dela parecia destruído. Era difícil dizer onde não havia um ferimento e ela estava perdendo muito sangue. Eu já ia dizer algo para o Thomas, quando um cheiro distinto freou a minha língua. Era um cheiro que eu conhecia muito bem, cheiro de morte e de vampiro antigo. Muito mais antigo do que Thomas e eu. Era o cheiro de Mikhail e Hanna estava impregnada dele. O desespero voltou a me pegar de jeito e senti o descontrole chegando, obrigando-me a me afastar, pois não queria ser vista daquele jeito. Corri para o meio do campo, ficando de costas para Thomas e Hanna. Tapei meus olhos com as palmas das mãos, feito uma criança que não quer ver algo terrível diante dela. Pouco adiantou. As lágrimas vieram fáceis e em profusão, encharcando meu rosto depois de serem contidas por mais de um século. Não havia mais como negar. Meu criador estava vivo e estava mais perto do que eu gostaria de imaginar. Antes mesmo de eu me dar conta, Mikhail já estava em Mystic Falls e tinha começado os seus joguinhos de sadismo, onde eu era a peça principal. Porém, era muito tarde para eu me lamentar. Por burrice e teimosia, eu havia ignorado todos os avisos de Hunter, e agora todos que tinham alguma ligação comigo, mesmo que indireta começavam a pagar por isso. Jessica, Thomas e até mesmo a pobre Hanna, todos eles estavam sofrendo as consequências da minha rebeldia. O bruxo tinha razão... Era tudo culpa minha.

- Não faça drama... Engula esse choro, Camille... - Eu disse com um fio de voz, tentando recuperar meu autocontrole. - Isso! Chore, minha raposinha. Seu choro é como música para mim, Mylla. Uma melodia doce e cheia de desespero. Eu adoro isso. Chore, minha raposinha. Chore para o Mikhail. - Aquela maldita voz e os risinhos sádicos, ecoavam em meus ouvidos, como se Mikhail estivesse ao meu redor. Por um lado, era bom, pois ouvir aquilo me deu muita raiva. Então, respirei fundo e limpei as lágrimas de meu rosto, tentando manter a cabeça erguida, enquanto olhava para o nada. - Tudo bem, Mik... Se é isso que você quer... eu vou entrar na brincadeira. Vamos ver quem vai ser o próximo a chorar. - Não foi uma promessa, mas sim uma sentença de que algo pior iria acontecer. A questão era: Seria comigo, com Mikhail ou com nós dois? Eu não queria saber a resposta, só desejava que aquilo tudo acabasse. Então, voltei para junto de Thomas e encarei o vampiro com seriedade, enquanto algumas lágrimas teimosas insistiam em tentar cair novamente. Eu não sabia por que Mikhail tinha atacado Hanna, e não me atrevi a perguntar, já que eu sempre soube que ele nunca precisou de motivo para atacar alguém. - Leve a sua amiga para casa e cuide dela, Thomas. Não saia de perto dela. Já se envolveu nisso mais do que deveria e a culpa é toda minha. - Minha voz era fria e seca, quase sem nenhuma emoção. - Vou atrás da Jessica, mas irei sozinha. Não vou deixar que Mikhail machuque mais ninguém. - Minhas palavras eram direcionadas para o Thomas, mas o olhar de desculpas foi para Hanna. Eu sabia que não era suficiente e por isso mesmo, precisava agir logo e dar um fim naquilo tudo. Sendo assim, dei as costas e saí, deixando os dois vampiros para trás. Eles ficariam bem, desde que eu ficasse longe deles. Mal tinha dado alguns passos, e uma ardência estranha atingiu meu rosto, como se eu tivesse levado um tapa forte ao ponto de ficar tonta. - Depressa, Camille! No estacionamento! Ele está lá com a Jessica! - Hunter havia voltado, mas ao contrário das outras vezes, agora eu estava decidida a não ignorá-lo.














Tags: Mikhail, Thomas, Jessica e Hanna Costume: Here Car Soundtrack: Zack Hemsey - Redemption

Thanks THE FOX! DO OOPS! e Flying Away from TDN pelo template!



Voltar ao Topo Ir em baixo
Thomas Heatherton

avatar

Mensagens : 122
Data de inscrição : 14/08/2012
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Sex Out 26, 2012 3:35 pm

And this is how, you remind me




O casal de vampiros passou rapidamente pela multidão de pessoas. O sangue que ainda manchava os lábios de Thomas passava tranquilamente por maquiagem ou até mesmo por sangue falso, aquilo não era um problema. Apertou um pouco mais os dedos ao redor da mão de Camille, trincando os dentes ao sentir pancadas em suas paredes mentais. Não sabia exatamente o que estava fazendo ou onde estava indo, simplesmente seguia o que o sangue da vampira lhe mostrava. A única imagem que estampava sua mente ainda era o banheiro feminino, mas assim que entraram no local, tudo que estava dentro da cabeça do vampiro sumiu, dando espaço para uma dor incômoda bem em sua fronte. Fitou Camille por alguns segundos, pensando em dar meia volta até que uma forte dor no peito o atingiu como uma pressão, seguida de gritos agudos que pareciam estar dentro de seus ouvidos. Thomas conhecia aqueles gritos melhor do que ninguém, eram gritos familiares, gritos que ele mesmo já provocara na dona da voz. Hanna. Não pensou duas vezes antes de agarrar a mão de Camille e arrastá-la novamente pelo corredor do colégio. A ânsia de encontrar sua cria antes que algo pior lhe acontecesse não deixava que Thomas pensasse com clareza, não era de seu feitio agir por impulso, era um vampiro antigo, sempre tinha um plano B na manga para ser usado em situações complicadas. Mas, naquele momento, viu-se vulnerável por não conseguir planejar nada, por não conseguir pensar em algo que não fosse salvar Hanna. Thomas aumentou a velocidade da corrida, obrigando Camille a correr também e assim que passaram pela porta dos fundos, soltou-a. Parou, analisando o campo de futebol e a pista de corrida, algo ali chamou sua atenção. Não conseguiu tirar os olhos do corpo imóvel fantasiado de um de seus vilões preferidos. Era ela, sua delicada Hanna.

Está viva! Está viva!, tentava convencer a si mesmo com aquelas palavras. A dor que sentia, não era nem comparada com a que Hanna sentira quando fora atingida daquela forma. Estava a perdendo, disso tinha plena consciência. Disparou a correr, tão rápido que seus pés mal tocavam o chão, parando somente quando atravessou as barreiras metálicas que separavam a arquibancada da pista de corrida. O cheiro de sangue era forte, e tinha o mesmo aroma de antes. Hanna estava debruçada na terra seca, parte das madeixas loiras tingidas de vermelho, assim como grande parte de sua pele alva. – Hanna! – Chamou-a ajoelhando-se ao seu lado, esperando que a vampira fosse abrir os olhos e dizer que aquilo era somente uma brincadeira. Com extremo cuidado, Thomas virou o corpo da loira, podendo então ver melhor seus ferimentos. Não eram muito menores que os que ele próprio causara a ela em 1979. Aproximou os dedos de sua testa suja de terra e sangue, afastando os fios de cabelo impregnados ali. A culpa pesava muito, pesava tanto que ele duvidava conseguir levantar-se do chão. O vampiro estava tão imerso na figura mal tratada de sua cria que mal prestara atenção em Camille, que afastou-se para o meio do campo, ficando de costas para ambos. Não, ela não estava sentindo-se culpada, estava? Thomas pensou em aproximar-se da amiga e dizer que tudo iria ficar bem, mas no estado em que Hanna encontrava-se, era complicado mentir daquela forma. Fitou Camille aproximar-se novamente, parecia estar segurando o choro, mas desacreditava que existia algum tipo de compaixão no coração da ruiva. Duvidava até que tinha um coração. Afinal, os vampiros eram isso, seres sem coração, não é? Thomas também duvidava que ele possuía um. – Leve a sua amiga para casa e cuide dela, Thomas. Não saia de perto dela. Já se envolveu nisso mais do que deveria e a culpa é toda minha. – A voz de Camille era seca e fria, quase sem emoção alguma. Voltou a ser a bela e perigosa vampira assassina de antes. – Vou atrás da Jessica, mas irei sozinha. Não vou deixar que Mikhail machuque mais ninguém. – O nome Mikhail fez Thomas unir as sobrancelhas. Então era esse o nome do causador de tudo? Trincou os dentes, lutando contra si mesmo para não ir atrás de Camille para ajudá-la a matar o tal homem.

Assim que a vampira deu às costas, Thomas abaixou-se lentamente, sentindo os olhos ficarem úmidos e a visão embaçada. Como aquela garota conseguia? Como conseguia destruir todas as barreiras do vampiro? Barreiras criadas, erguidas com materiais resistentes durante quatrocentos e dez anos de existência. Barreiras que nem mesmo Nymeria conseguiu derrubar. E então, encontrava-se à mercê de um anjo quase sem vida. Lutou contra as lágrimas que nunca mais escorreram de seus olhos após a transformação e conseguiu vencer, mas sabia que se continuasse insistindo em Hanna, em breve deixaria de ser tão inabalável como antes. O pensamento de deixá-la naquele lugar e fugir da cidade passou por sua cabeça, mas tudo sumiu quando a voz fraca da vampira adentrou como música em seus ouvidos. – Thomas... – Falava tão baixo que duvidava que alguém mais pudesse ouvir. – Estou aqui, estou aqui... Agora, fique quieta, vou cuidar de você. – Adiantou-se passando com cuidado os braços atrás das costas de Hanna e em seguida por suas pernas, erguendo-a do chão. Os olhos azuis da vampira o olhavam, mas parecia distante, precisava alimentá-la urgentemente ou acabaria ficando ainda pior. Thomas começou a andar na direção oposta em que Camille seguiu, mantendo os olhos fixos nos de Hanna, temendo que ela os fechasse. Transformou a caminhada em uma corrida, saltando os muros do colégio facilmente e quando já estava na rua permitiu-se correr em sua velocidade de vampiro, torcendo para chegar em casa antes que algo pior acontecesse com algum deles. Olhou brevemente para trás, observando o prédio escolar ficar cada vez mais distante, assim como Camille, Jessica e todos aqueles que Mikhail poderia machucar. Apertou um pouco mais o corpo de Hanna contra seu peito numa atitude protetora e avançou em direção aos portões de sua casa. De duas coisas estava certo: Camille acabava de ganhar um aliado. E Mikhail seria o foco de todas as pessoas que Thomas desejava matar.



TAG: Hanna, Camille, Mikhail, Jessica MUSIC: Nickelback - How You Remind Me NOTES: carro

Thanks Karen @ Ops and FredKoob


TURNO ENCERRADO PARA THOMAS E HANNA
Voltar ao Topo Ir em baixo
Jason Kylle
Lobisomem
Lobisomem
avatar

Mensagens : 582
Data de inscrição : 16/07/2012
Idade : 26

Ficha do personagem
Nivel: Médio

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Sex Out 26, 2012 6:49 pm




Welcome to Mystic Lake



Jason havia deixado Mia com aquele homem que passava um ar de gente ruim, será que tinha feito o certo? Enquanto as pessoas passavam por ele bêbadas, algumas esbarravam e comentavam da fantasia do mesmo fazendo brincadeiras.
" Oh não! Jason, socorro"
Era bem irritante, estava tendo um dèja vú do baile, parecia que seu fim de festa chegava quando ele encontrava a loira e se despedia dela, era bem intrigante aquilo.
Tirou a máscara e a pendurou no pescoço, as luzes deixavam ele meio tonto, estava doido para sair do ginásio, passando por mais alguns sentiu o cheiro de Michael, olhou pelo corredor, ele ainda estava ali e com seu irmão misterioso, como seria possível isso ? Nunca soube desse tal irmão, bem, para ele já bastava aquela festa, estava sentindo falta de Zed, aquela saudade estava se tornando um incomodo, ele estava na casa do outro com a mãe e a avó, queria sair dali, pois em sua cabeça agora encontrar um lugar para ficar, queria ficar distante um pouco da cidade e ao mesmo tempo perto, soube que tinha uma pensão nas áreas afastadas de Mystic Falls, iria checar o lugar, mas agora seria muito tarde.
Ao chegar no estacionamento, estava de cabeça baixa, seu nariz novamente farejava algo, era o cheiro de Mia, levantou os olhos procurando ela para talvez acompanha-la até sua casa, mas não conseguiu achar a outra, eis que observou o homem que havia aparecido o chamando de amigo, viu que ele carregava algo..
- O que ele está fazendo ?
Perguntava para si de forma baixa, viu que ele olhava de um lado a outro e saia cantando pneu, sentiu uma espécie de mal pressentimento, como estava com um carro agora, não esperou, entrou em seu muscle e ligou o carro, seguiu o outro até onde ele pôde levá-lo, será que aquela noite não acabaria nunca?!

ENCERRADO PARA JASON



Tag: Mia Rinaldi // Alan Scratch // Michael // Alex // Zed

Post: FINAL
Musica: Pink - Try.
Roupa: Fantasia
Notas: Algo estranho...


thanks, baby doll at oops


Voltar ao Topo Ir em baixo
Matthew Bradley
Lobisomem
Lobisomem
avatar

Mensagens : 49
Data de inscrição : 20/10/2012
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Sex Out 26, 2012 7:59 pm

Trick or treat? Prefer treat!
FLAMES BURN HIGHER, SKIES ON FIRE, FLAMES GET HIGHER...
As lágrimas escorreram pelas bochechas da ruiva e mesmo assim ela disse – Eu estou bem – Sua voz soara baixa, mas Matthew compreendia. Tentou detectar mais indícios na expressão da garota, porém ela virou o rosto, impedindo um contato visual, enquanto continuava a falar com amargura. – Eu não tenho medo! Eu não... – Sua voz foi aumentando, ficando mais intensa e mais firme. Até que a ruiva parou, olhando fixamente para um ponto qualquer do estacionamento, como se acabasse de ver algo incomum ou bizarro e então, ela explodiu novamente, dessa vez suplicando por ajuda. – Por favor! – Matt recuou um passo quando a faca foi arrancada de suas mãos, novamente em desvantagem e confuso com as alterações de humor da garota desconhecida. Mesmo tentando ignorar tudo aquilo e afastar-se o mais rápido possível do colégio, o lobo estava preso entre acreditar e ajudar a ruiva ou simplesmente matá-la ali mesmo. – Por favor, precisa me tirar daqui, me levar pra algum lugar seguro. Tem pessoas feridas lá dentro e eu preciso procurar ajuda! – Matt riu baixo, coçando a cabeça despreocupadamente enquanto olhava para a lua no céu. Era difícil de crer em coisas relacionadas àquilo numa noite de Halloween, mas mesmo assim a garota continuava a falar. – Por favor... Me ajuda. – O lobisomem abriu a boca para se manifestar contra, mas foi freado pelo cheiro forte que invadiu suas narinas. O dono do odor não estava longe e era um vampiro, disso Matt tinha certeza. Olhou em volta com a testa vincada de preocupação, temendo que o que a ruiva dizia fosse verdade, quando os olhares de ambos se cruzaram novamente, Matthew sentiu-se perdido em meio ao azul intenso dos olhos da ruiva, ela o estava enfeitiçando? – Não há tempo! – Agarrou a mão do lobo e o puxou para trás de um Chevy Malibu vermelho. Abaixados, eles fizeram silêncio, escutando um cantarolar macabro que parecia ser direcionado à ruiva.

Matthew queria se levantar para espiar ou até mesmo para lutar contra o vampiro. Pessoas estavam em perigo, se o que a garota dizia fosse mesmo verdade. Vincou o cenho e fechou as mãos em punho, enterrando as unhas na carne da palma de suas mãos. Tremia, como se fosse explodir em um lobisomem ali mesmo, mas sabia que não era possível, não era lua cheia, não estava tão forte. – Concentre-se Jessica... – A voz da ruiva chamou-lhe a atenção, fazendo-o desviar o olhar para ela. Mantinha os olhos fechados massageando as têmporas. Jessica era seu nome, então. Matt abriu um pequeno sorriso no canto dos lábios, achando engraçada a forma como Jessica encontrara para tentar amenizar seu medo. Mas se enganou, aquilo não era um exercício de relaxamento. De repente a ruiva ergueu-se falando com firmeza uma corrente de palavras numa língua estranha que eu não conhecia. Matt levantou-se também, arregalando os olhos ao ver as chamas se espalharem pelo estacionamento lotado de carros. O homem vestido de preto não conseguiu avançar mais devido a altura do fogo, mas permaneceu parado do outro lado, observando-os.

O lobisomem permaneceu estático, hipnotizado pelo fogo. – Além de saber usar uma faca, também sei brincar com fogo. – Virou o rosto em direção à Jessica e uniu as sobrancelhas, censurando-a com o olhar. – Você é uma bruxa! – Acusou, mas no fundo sentia-se lisonjeado por conhecer uma bruxa do fogo. – A gente precisa sair daqui... – Jessica segurou a mão de Matthew, puxando-o novamente para uma tentativa de fuga. O calor estava se espalhando rapidamente, Matt sentia as gotículas de suor formar em sua testa e sua nuca enquanto afastavam-se num passo um tanto lento. – Rápido! – Jessica o puxou e aumentaram a velocidade. O lobo abaixou-se quando os primeiros estouros dos vidros começaram, em breve seriam os tanques de gasolina e a explosão não seria nada discreta. Apertou um pouco mais os dedos ao redor da mão delicada da bruxa quando viu um vulto negro passar por eles como um raio, acertando um tapa no rosto de Jessica. Matthew soltou sua mão, observando o filete de sangue que escorria da narina esquerda da ruiva, fazendo-o se sentir mal por não tela puxado antes de receber a bofetada. O lobisomem rosnou para o vampiro, avançando em sua direção, pronto para encarar uma briga de homem para homem, sem covardias. Uma das coisas que tirava todo o controle de Matthew, era assistir o sexo masculino aproveitar-se da fragilidade do sexo feminino para ganhar uma briga, lembrava-se da mãe que mal conseguia se defender de Colin nas noites em que o pai estava bêbado e nervoso demais. Porém, para a surpresa de Matthew e também do vampiro, Jessica meteu-se no meio, usando o próprio corpo para proteger o lobisomem. – Não! É a mim que você quer! Deixe-o em paz! – Tentou afastar a bruxa de sua frente, mas Jessica parecia decidida a permanecer ali. – Não faça besteiras Jessica, saia daqui – Matt sussurrou entre dentes, olhando fixamente para o vampiro que gargalhava da situação. – Você não vai machucar mais ninguém. – A risada do vampiro foi diminuindo aos poucos, mas a tensão continuava a mesma de antes, até pior. Matthew estava preparado para matá-lo, até que ouviu as palavras – Está se referindo a vampira loira, a William ou a Eva? Porque eu machuquei todos os três, minha querida, pode apostar! E a próxima será você! – Realmente haviam pessoas feridas dentro do colégio, Jessica não estava mentindo e isso fez com que o lobo se sentisse culpado por não ter acreditado na ruiva. Tentou imaginar quem poderia ser Eva e William.

Eva provavelmente uma amiga e William o namorado. Matthew continuou a fitar o vampiro, sentindo cada vez mais desprezo pelo ser a sua frente. Num movimento rápido e certeiro, o homem empurrou Jessica contra um dos carros do estacionamento e avançou em direção ao oponente. Uma luta começou ali, socos e chutes tão fortes que matariam um humano em questão de segundos, mas ambos eram demônios, eram rápidos. Matt acertou dois murros seguidos no rosto do vampiro, ganhando vantagem podendo assim pular nas costas do adversário e prender seu pescoço num golpe justo, enforcando-o. – É muito feio bater em mulher! – Matthew rosnou no ouvido do vampiro. – Vamos ver o que acha de ser mordido por um lobisomem... – Sorriu presunçoso, arreganhando os dentes prestes a mordê-lo. Antes de fazer qualquer coisa, ergueu a cabeça e buscou por Jessica, encontrou-a caída ao lado de um dos carros, o mesmo em que fora jogada. Havia sangue ao seu redor e o corpo não se mexia. – Jessica! – O lobo chamou-a, preocupado, desviando a atenção da luta.




Fight!
tagged: Jessica, Mikhail, Cassie, Hanna, Eva e William
wearing: this / Music: Not Strong Enough - Apocalyptica
thanks nath! @ ops
Voltar ao Topo Ir em baixo
Eva Bulkövsky

avatar

Mensagens : 895
Data de inscrição : 06/06/2012
Idade : 24
Localização : Glasgow

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Sex Out 26, 2012 8:17 pm



I'll seek you out, flay you alive

one more word and you won't survive. And i'm not scared of your stolen power. I see right through you any hour



O silencio que repentinamente se instalara no corredor passava por Eva retalhando seu corpo, fazendo seu coração acelerar. A bruxa permanecia em pé como uma muralha, esforçando-se para não deixar a dor se arrastar de volta em sua direção, obrigando-se a não pensar no pai ou nas provocações de Mikhail, devia ser forte. Uma verdadeira Bulkövsky seria forte, mesmo que o coração apertasse e os lábios formigassem, com o beijo fresco ainda instalado neles. Armou-se com uma golfada de ar, afastando aqueles pensamentos de sua mente. Concentre-se, ordenou, percebendo a figura que se aproximava rápida como um raio quando já era tarde demais para se defender. Um grito ecoou no ar, terrivelmente agudo, e a bruxa demorou algum tempo até perceber que era o seu próprio. Michael surgira de lugar nenhum, enterrando suas presas na carne pálida de seu pescoço delicado. A dor eclodira por todos os lados e novamente imagens involuntárias invadiram sua cabeça, como na clareira, ao tocá-lo pela primeira vez. Vira o rosto de Jason em um ou dois flashes, mas foi quando a sombra do homem cansado brotou em sua mente que seu coração pareceu parar. John, pensou, e sabia que tudo estava perdido. Ele te mandou para me matar..., a voz explodira em seus ouvidos, soando dolorosamente familiar, enquanto a bruxa via a sombra do homem erguer-se no escuro, segundos antes do riso irônico de Michael penetrar sua espinha, enquanto o hibrido, que na memória não passava de um lobo, aproximava-se do homem, pronto para matá-lo.

Eva voltou a realidade fraca e tremula, caída no chão, cega por alguns instantes. As imagens frescas de seu pai sendo morto torturavam-na e o sangue pingava de seu pescoço, num caos de dor e torpor difícil de vencer. Pensou que ruiria ali mesmo e acabaria morta, estatelada no chão. Queria gritar, chorar, fugir. Desejou ter sua faca nas mãos, pois nada lhe daria mais prazer do que acabar com aquele monstro que lhe sorria. Michael tinha seu sangue nos lábios, e a encarava com um sorriso corriqueiro, debochado e superior, mas ela o faria pagar. Sentia o coração ser envolvido pelo frio, um inverno terrível e longo, pior do que qualquer outro que já a envolvera. Esquecera-se de Mikhail por um instante, e Will e Jessica e Hanna. Não havia nada naquele mundo exceto sangue, ódio e Michael. Levantou os olhos, ainda caída no chão, cruzando o olhar com o hibrido, não dissera uma palavra e não sorrira também. Um olhar bastava, carregado de nojo. – Foi você. – sussurrou e o sorriso do hibrido torceu-se em uma carreta de dor enquanto a bruxa fazia com que seu próprio sangue, ingerido pelo maldito, voltasse queimando sua garganta. Fazia-o ebulir, condensando-o em seguida e ebulindo novamente, em um ciclo vicioso que corroia o interior de Michael como acido, contornava seus órgãos vitais, que mesmo mortos não eram imunes a dor. Jamais fizera um feitiço assim antes, esperava que seu coração de bruxa parasse ali, tomado pelo esforço da magia, mas descobrira que controlar seu próprio sangue vinha naturalmente, como uma extensão de seu braço. Os dedos de sangue continuavam a devastar Michael enquanto Eva se punha em pé, ignorando as pontadas de dor que seguiam seus movimentos, estava envolvida em uma bolha de torpor que só podia ser saciada daquela forma, torturando o assassino de seu pai.

Havia mais alguém ali, percebeu. Virando o rosto para o homem que Michael chamara de irmão. Um bruxo, surpreendeu-se. Michael era mesmo uma caixinha de surpresas. O outro homem encarava-a aterrorizado, com ódio por trás do medo, preparava-se para atacá-la, enquanto o irmão ainda contorcia-se no chão, torturado pelo sangue que roubara de Eva, mas qualquer feitiço que planejava usar foi quebrado pela voz que denunciava uma quarta presença. – Eva? – chamara o homem. Era o Corvo que acompanhava Jessica mais cedo, antes de toda a noite se despedaçar. O terceiro bruxo parecia tão surpreso quanto o irmão de Michael com a cena que os rodeava. Um hibrido, forte e imponente, domado por magia de sangue. Magia impura. Magia negra... Magia que inflava os pulmões de Eva, fazendo-a sorrir ao imaginar quanta dor estava provocando no hibrido, a devastação vermelha que seu sangue causava, ela era veneno, na forma mais literal possível. Não importava o quanto doía, ele mereceria mais, sempre mais. Ia fazê-lo pagar. – gwaed yn codi – sussurrou, voltando a encarar o irmão de Michael, fazendo-o dobrar os joelhos e cair inconscientes no chão de uma vez só, nocauteado pelo sangue que subia veloz para seu cérebro, sem ter tempo de respirar uma ultima vez. Aquilo custara mais caro, os joelhos de Eva cederam e a bruxa precisou ser amparada pelo Corvo. De repente haviam lagrimas em seus olhos, silenciosas, mas que deduravam o caos que habitava a bruxa. – Frederik – sussurrou, apoiando-se mole nos ombros do bruxo, o nome iluminara sua mente no instante em que o tocara. A bruxa olhou em volta, encarando o hibrido estirado no chão, já não o torturava mais, embora Michael estivesse fraco demais para se mover, ferido na perna por suas serpentes e completamente destruído por dentro pelo sangue que ele tomara a força. Assassino, assassino! Sua mente gritava ao olhá-lo, mas acima de tudo, parecia estar se olhando em um espelho.

Não! Deteu-se, não era como ele. Não era uma assassina! Sua mente era uma desordem, uma barafunda de pensamentos – Precisamos sair daqui – sussurrou, puxando Frederik pelo corredor, até voltarem para a festa. A batida da musica torturava seus ouvidos, confundindo ainda mais a pequena bruxa que mau se agüentava em pé. Os convidados estavam tão distraídos em suas patéticas vidas que mal percebiam o estado da garota, que perdera a peruca ruiva no combate e agora tinha seus longos cachos cor de âmbar derramados pelos ombros, ocultando o ferimento que já não jorrava sangue. Olhou em volta, ainda amparada por Fred, procurando por Will, pelo Rei da abóbora que fazia seu coração cantar, mas não conseguia focar-se em nada. – Jessica... – sussurrou, rente ao ouvido do bruxo que a ajudava. – Onde ela está? – sua voz soava rouca, quase fria, se não fossem pelas pontadas de calor que pontuavam a preocupação naquelas palavras. Uma sucessão de imagens estranhas preenchiam os espaços vazios na mente de Eva, Hanna sendo atirada num campo de futebol, Jessica em uma linha de fogo, Mikhail e seus olhos frios... E o pai, sempre o pai, morto, estirado no chão. A bruxa estremeceu, ainda fitando os olhos do Corvo.


tagged: William. Jessica. Michael. Frederik. Hanna. Mikhail. Alex. soundtrack: Eyes on fire - Blue Foundation vestindo: Ta na ass


Voltar ao Topo Ir em baixo
Jessica Craigdalle

avatar

Mensagens : 364
Data de inscrição : 26/08/2012

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Sex Out 26, 2012 10:01 pm


Everything ends...
When the sun is perched at it's highest peek. As we walk in the dimming light.

--------------------------------

Estava prestes a formular um feitiço rápido sobre Mikhail quando o vampiro empurrou-me com força contra um dos carros do estacionamento. O impacto foi forte, o barulho parecia ecoar dentro de minha cabeça, exatamente com na tarde em que fui atropelada pela Mercedes preta. Bati as costas contra o vidro da frente de uma picape, sentindo cada parte de minha pele queimar com os cortes dos estilhaços que grudaram em minha roupa. Gemi alto, escorregando do capô para o chão, batendo a cabeça com força contra algo que eu não soube distinguir. As vozes misturaram-se, muitas pessoas chamavam meu nome enquanto inutilmente eu tentava me mover, sair daquela posição para ajudar o lobo. – Flammis uruntur... – Sussurrei na esperança de conseguir formular um feitiço, mesmo naquelas condições. – Flammis uruntur... animi... – Não daria certo. Respirei fundo, levando a mão direita até o nariz, tocando o líquido morno que escorria até meus lábios. Além de todas as dores no corpo, eu estava tendo uma hemorragia devido a pancada na picape. Minhas pálpebras pesaram e já não estava mais conseguindo manter-me consciente, demorei um pouco a notar que a dor na cabeça era culpa de um fundo corte provocado no impacto contra o chão, cheio de pequeninas pedras. Levei a mão até o colar pendurado em meu pescoço, escondido pela camiseta listrada que fazia parte da fantasia de Chucky e o puxei, manchando-o com o sangue que cobria meus dedos. Então deixei que meus olhos se fechassem, trancando-me numa imensidão escura e silenciosa, onde eu era frequentemente sugada para baixo a todo o momento. Lá não havia Mikhail, eu estava segura dentro de minha própria cabeça.

--------------------------------


TAGGED Eva, Camille, William, Thomas, Mikhail, Hanna e Matthew
MÚSICA Massive Attack - Psyche
SET roupas
CRÉDITO à GIULIA --- TERRA DE NINGUÉM && OPS!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Marie Rogêt

avatar

Mensagens : 21
Data de inscrição : 13/10/2012
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Sex Out 26, 2012 10:36 pm


Mais c'est qui cette héritière ,
qui se baigne qui se terre



Que criatura ridícula era aquela que usava seu rosto como pele? Marie quis saber, enquanto se encarava no espelho, mais pálida do que o normal. Enterrar Edmound, ajeitar toda a papelada burocrática e voar de volta para Nova York era tudo o que precisava fazer, continuava a repetir para si mesma aquela sua pequena lista, mas a tarefa não ficava mais fácil com o tempo. Se havia alguma verdade naquilo tudo, era que quanto mais pensava no que a esperava, mais parecia ficar doente. Devia ter passado no hospital naquela mesma tarde, reconhecido o corpo e dado logo um basta naquela historia de assassinato, mas então quando agarrava sua bolsa e girava a chave na tranca da porta, acovardava-se e voltava a se encolher na cama daquele quarto de hotel deprimente. Marie queria poder enfiar a cabeça na terra e ficar por lá, escondida para o resto da vida. Começava a se perguntar por que insistira tanto em vir ali, quando podia simplesmente deixar que o pai cuidasse de tudo, e ainda assim não conseguia se arrepender. Ignorara as ligações de Ed, assim como as do resto da família, e agora nunca mais ouviria sua voz. Ao menos poderia lhe dar um fim que valesse a pena, vê-lo uma ultima vez antes de fechar o caixão.

Lengalenga. Não estava enganando ninguém, era uma covarde, sempre fora. Encarava-se naquele espelho torto com o cabelo preso com coque e um bigode falso que pinicava em pleno Halloween, mais uma desculpa para adiar a breve visita ao hospital, mais uma tentativa obviamente falha de distraí-la dos últimos problemas que vinham rondando sua vida. Não adiantava inflar os pulmões e se fazer de adorável, não quando estava sozinha, frente a frente com o reflexo abobado, transvestido em um Edgar Allan Poe de traços femininos. Balançou a cabeça, enfiando os pés nos Oxford surrados marrons escuro, a sola dos saltos já estava tão gasta que corria o risco de escorregar e quebrar uma perna. Um ultimo olhar de esguelha para o espelho, concertando alguns fios rebeldes que escapavam o coque e escondendo a velha mancha em formato de caveira na nuca com a gola do paletó. – Você parece estúpida. – Concluiu, saindo com passos suaves de seu esconderijo, descendo até o térreo sem prestar atenção no caminho, do lado de fora, no ar gelado, só podia rezar para que a noite não ficasse pior.

Era praticamente impossível não encontrar a festa, ouvira varias pessoas comentarem sobre o evento no saguão do hotel, em uma das poucas vezes que tivera coragem o suficiente para aventurar-se além de seu quarto. Além disso, o movimento na porta da escola local era absurdo, nesse túnel do terror improvisado na entrada da quadra, onde garotas soltavam gritinhos histéricos enquanto garotos tentavam manter a pose, tentando impressionar qualquer um num raio de dez metros com toda a masculinidade falha. Marie os observava e francamente extraía uma analise detalhada, como uma espécie de scanner. Era comum que agisse assim, como um elemento excluído do todo, um observador que não se misturava, nunca fora boa nessa coisa de se misturar. Passou pelo túnel sem se impressionar, sendo imediatamente envolvida pelo ar da festa, uma batida eletrônica com cheiro de álcool que a deixava tonta. Porque raios estava ali, afinal? Rodou pelo ambiente, atravessando a pista de dança sem encontrar um ninho onde se enfiar, estava ficando incomodada, lembrando-se a contra gosto da festa de formatura, uns bons cinco anos atrás. Ah sim, ao menos esperava não encontrar o pai em casa, na cama com a melhor amiga ali, ao menos essa era uma certeza boa. A única, até então. Uma mecha de seu cabelo cor de mel caiu sobre o rosto e Marie a afastou com um sopro, colocando-a no lugar logo em seguida. Incomodada, trocando o peso de uma perna para a outra, passou os olhos pela festa.


Dans l'eau tiède de tes reins?
Je vais prendre ta douler


Soundtrack: Camille – Ta douler clothes:Edgar Allan Poe Notes: bla bla bla Tagged: forever alone
Voltar ao Topo Ir em baixo
Mikhail Shevardnadze

avatar

Mensagens : 73
Data de inscrição : 03/09/2012
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Sab Out 27, 2012 8:09 pm


Trick or treat? You will die!

I don't care if it takes all night
'Cause there's bad blood
Pumping in your veins
It's alright


Mikhail era um bom lutador, passara anos descontando sua raiva em humanos, vampiros e lobisomens, raiva que vinha de somente uma única pessoa: Mylla, vulgo Camille. Os golpes que acertava no oponente fazia todo o seu ser vibrar de excitação, queria matá-lo, e iria, se não fossem os murros que recebera no rosto, ficando tonto o suficiente para que o rapaz agarrasse-o pelas costas, fechando seu pescoço num aperto de ferro. O ar desapareceu dos pulmões de Mikhail, que fechou os olhos com força, incomodado com aquela posição. – É muito feio bater em mulher! – O lobisomem rosnava em seu ouvido, fazendo uma risada sádica e alta ecoar pelo estacionamento. Mesmo com o pescoço preso entre os braços do go-go boy, Mikhail ria da situação, sentindo-se novamente no controle. – Vamos ver o que acha de ser mordido por um lobisomem... – O vampiro cessou o riso, preocupando-se com a ameaça. Uma mordida de lobisomem poderia ser fatal, mesmo para um ser centenário como Mikhail, mas a luta estava longe do fim e por um deslize, o lobisomem desviara sua atenção para a bruxa ruiva ferida ao lado do carro o qual fora lançada contra. – Jessica! – O rapaz chamou-a, dando uma deixa para Mikhail. O vampiro não perdeu tempo algum, agarrou os braços que estavam apertando seu pescoço e lançou o corpo do lobisomem por sobre o seu próprio, fazendo com que o adversário batesse com tudo as costas no chão.

O vampiro riu, rondando o corpo do rapaz, satisfazendo-se com os gemidos de dor. – Jessica é minha! Minha! Assim como todos que eu almejo, seu lobisomem de merda! – Cuspiu sobre o tórax do lobo e riu, uma risada digna de um psicopata. Chutou o rapaz uma, duas, três vezes, acertando-lhe vários lugares como costelas, pernas e cabeça. Abaixou o suficiente para agarrar o rapaz pelo pescoço, erguendo-a a sua frente. Estava consciente, ainda, mas ferido o bastante para não conseguir sair dali facilmente. Sabia o quanto estava machucando-o e queria mais, Mikhail sempre queria mais. Aspirou o ar com força, deliciando-se com o cheiro de sangue e borracha queimada no ar quando algo a mais lhe chamou a atenção. O cheiro era mais fraco que os outros, mas ainda assim estava presente, o cheiro doce de cabelos primaveris e sensualidade, cheiro de traição e desprezo. – Mylla... – Soltou o lobisomem, deixando-o cair ao seus pés. Olhou em volta, cerrando as mãos em punho. Não queria ver mais Camille, não havia necessidade de mais um encontro, o terror fora implantado e estava longe de terminar, só precisava pegar Jessica e sair dali. Fitou o corpo ferido do lobisomem por alguns segundos e sorriu discretamente. Não poderia matá-lo, não naquela noite. – Boa noite, meu caro. – Com uma reverência, afastou-se em passos largos, parando ao lado da bruxa inconsciente. Jessica estava ferida na cabeça e no nariz, precisava de cuidados caso Mikhail desejasse tê-la viva em suas garras. – Vamos lá, bruxa quente! – Riu da própria piada, erguendo Jessica do chão facilmente, correndo em direção ao carro em que deixara o humano de Eva no porta-malas.

Não foi cuidadoso com Jessica. Abriu a porta de trás do carro e lançou a bruxa deitada sobre o banco, entrando no carro logo depois. Bateu a porta com mais força do que devia devido a adrenalina que sentia, tudo estava indo melhor que o planejado. – Preparem-se, o jogo está apenas começando... – Sussurrou, unindo os fios que fizeram o carro ligar imediatamente. Mikhail manobrou o carro e afundou o pé no acelerador, atravessando em alta velocidade as chamas que ainda consumiam o estacionamento. Abandonou o colégio levando dois brindes que o ajudaria a ganhar Evalina, mas deixou muitos presentes também, como o pavor em sua cria, pessoas feridas ou até mesmo mortas e a explosão. O carro já estava na rua quando uma enorme explosão lançou pedaços de veículos pelo terreno do colégio, fazendo o vampiro ao volante rir ainda mais com a destruição que causara. A vingança tinha gosto de sangue e Mikhail adorava sangue mais do que qualquer coisa. Agora, seu próximo passo era manter seus reféns bem longe de toda a cidade para que a dimensão do terror fosse ampliada cada dia mais. – Sentirão falta de vocês? Não? Veremos. – Apertou os dedos ao redor do volante, afundando o pé no acelerador um pouco mais, rumando em direção ao cativeiro.


vestindo: isso
escutando: Ghost Rider - Animal I Have Become
postando com: Camille, Eva, William, Jessica, Thomas, Hanna e Matthew
notas: carro
thanks, baby doll @ EDVTF


ENCERRADO PARA MIKHAIL, JESSICA E WILLIAM
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Dom Out 28, 2012 5:29 pm




Peek-A-Boo! You'll be Dead Soon




À medida em que me aproximava do estacionamento, sentia novas sensações estranhas, sinal de que estava novamente ligada a Jessica, e de que minha empatia com ela era forte. Eu podia sentir o medo da bruxa misturando-se ao ódio, podia sentir suas dores refletindo em meu corpo como se eu estivesse no lugar dela. E por um momento, desejei estar. Enquanto corria, um gosto de sangue chegou até a minha boca, quase ao mesmo tempo em que uma forte tontura pegou-me de surpresa, fazendo-me parar para me recompor. Mais uma vez, eu sabia que o problema não era comigo. Jessica estava em sérios apuros e quando voltei a correr, senti que a perdi. Minha conexão com a bruxa havia se quebrado e eu não podia captar mais nada que viesse dela, apenas escuridão. Quando finalmente cheguei ao local, percebi que teria que atravessá-lo todo, já que a garota encontrava-se do outro lado do estacionamento. Enquanto passava por entre os carros, pude ver o fogo iluminando alguns lugares, senti o cheiro de fumaça e borracha queimada que pairavam no ar, sinal de que a bruxa havia usado o seu poder. Eu torcia para que Mikhail ainda estivesse lá. Eu precisava vê-lo, olhar em seus olhos e ter certeza de que o demônio que assombrava a minha existência realmente estava vivo. Nesse momento, houve uma enorme explosão e fui obrigada a me proteger, abaixando-me entre os carros, enquanto via estilhaços de vidro e pedaços de ferro retorcido voando para os lados. Aquilo foi o suficiente para que eu acelerasse ainda mais a corrida, porém quando cheguei ao local da explosão, era tarde demais. Não havia vestígio de Jessica, nem de Mikhail. Tudo que restava eram destroços e pequenos focos de fogo aqui e ali. A bruxinha tinha provocado um belo estrago, e com certeza muitos infelizes iriam para casa a pé.

Mikhail havia levado Jessica e não havia mais nada que eu pudesse fazer naquele lugar. Era como se ele estivesse sempre um passo à minha frente e isso me deixava furiosa. Já estava até indo embora, amaldiçoando meu criador, quando um forte odor misturado ao cheiro de sangue, chamou a minha atenção. Eu estava tão absorta em meus pensamentos, que nem havia me dado conta de que tinha alguém ali. Não precisei chegar muito perto para saber quem, ou melhor, o que era a criatura. - Lobisomem... - Murmurei, enquanto espiava o rapaz. Ele estava atrás de um carro, deitado de bruços e não parecia nada bem. - Hey? - Cutuquei seu pé com a ponta de minha bota, mas ele nem se mexeu. Eu não sabia ao certo o que tinha acontecido, mas não foi difícil perceber que o lobo era mais uma das vítimas do meu querido criador. Notei que ele ainda respirava, então me aproximei um pouco mais, porém com cautela. Não iria correr o risco de levar uma mordida, além disso, após avaliar o estado em que o sujeito se encontrava, não restava dúvidas de que ele havia confrontado Mikhail. A questão era: Por que o vampiro o tinha deixado vivo? Isso não era do feitio dele. De qualquer forma, o lobo tinha sorte de ainda estar respirando. A bagunça no estacionamento havia atraído curiosos, tanto que captei algumas vozes que pareciam vir de algum lugar próximo da entrada, então eu precisava sair logo dali, mas antes queria tentar falar com o tal lobisomem. Talvez ele soubesse algo sobre o paradeiro de Jessica, já que havia enfrentado meu criador. Mais uma vez, ouvi o som de passos e mais vozes, mas foi um gemido que chamou a minha atenção novamente. O rapaz estava acordando, mexia-se lentamente até que finalmente conseguiu virar-se de barriga para cima, porém seus olhos ainda se mantinham fechados. A cena dolorosa me deixou com um pouco de pena, então resolvi ajudar o infeliz, afinal sentia-me um tanto responsável por sua situação delicada.

Arriscando-me um pouco mais, ajoelhei-me perto dele, e sem aviso prévio mordi meu próprio pulso, pressionando-o contra os lábios do rapaz. - Se você me morder, juro que arranco a sua cabeça. Agora beba. Precisa de força para sair daqui antes que o vejam. - Eu disse enquanto ouvia alguém gritar para chamarem os bombeiros. O tempo estava acabando. O lobo estava mais ferido do que eu havia imaginado, mas por trás daqueles futuros hematomas e de todo aquele sangue, escondia-se alguém com um belo potencial. Aliás, o lobinho não era de se jogar fora não. Ele era jovem e forte, então deveria ter dado algum trabalho a Mikhail. - Espero que você o tenha arrebentado também. - Sussurrei. Sabia que era pouco provável que Mik tivesse saído ferido, mas não quer dizer que fosse impossível. Fui surpreendida pelos olhos arregalados do lobisomem, que parecia me observar de um jeito desconfiado, com suas sobrancelhas unidas, enquanto eu lhe dava o meu sangue. - Ok! Já chega. Isso deve ser mais do que suficiente para você se recompor. - Eu disse ao me levantar até que o som de sirenes ao longe ecoaram em meus ouvidos. Eu precisava sair dali, mas também não queria deixar o go-go boy - essa era a fantasia que ele usava - abandonado naquele estado, porém não tinha escolha. Ele ainda estava muito fraco para falar, então nem perdi tempo perguntando sobre a Jessica. Talvez ele nem a tivesse visto, e como o som de passos e vozes estava se aproximando, resolvi que era melhor ir embora. - Se estiver se sentindo mais forte, esconda-se! Não deixe que vejam você aqui. Vá embora o mais rápido possível. - Murmurei enquanto dava uma última olhada no lobisomem. Não esperei resposta, simplesmente lhe dei às costas e saí, pulando a cerca lateral do estacionamento até desaparecer por entre as sombras da rua.

Mal tinha andado três quadras e uma nova explosão surgiu no estacionamento, clareando ainda mais a noite de Halloween. Ou seria Noite do Inferno? Fixei meus olhos nas enormes labaredas, enquanto ignorava as sirenes e os gritos que vinham do local. Torcia para que o lobisomem tivesse conseguido sair de lá inteiro, mas meus pensamentos logo se voltaram para Mikhail. Eu me sentia frustrada, envergonhada e furiosa por tudo que ele havia provocado contra todas aquelas pessoas. Eu não queria me importar. Lutava para não me preocupar com Jessica, com Thomas ou Hanna, e com todos os outros que poderiam estar envolvidos, mesmo que indiretamente. Apesar de ter levado a bruxa com ele, Mik não tinha fugido. Meu criador jamais fugiria, ainda mais de mim. Eu sabia que ele tinha um plano, seus joguinhos eram assim. Começavam com o terrorismo, depois vinha a parte da tortura, e só então o final arrebatador. Eu temia por Jessica. Tinha medo que Mikhail fizesse com ela o que havia feito comigo, e eu não desejava aquilo para a menina, mesmo sem conhecê-la pessoalmente. No final, era tudo culpa minha. Se eu não tivesse feito o maldito pacto com o bruxo, não precisaria ter vindo para Mystic Falls. Não teria encontrado Thomas no cemitério, nem o teria afastado de Hanna, enquanto dançavam na festa. Hanna estaria bem, Jessica estaria bem, e todos estariam livres de Mikhail. Todos... menos eu. Pelo menos, eu não estragaria a vida de ninguém, somente a minha. Mais um vez, meu criador tinha conseguido abalar as minhas estruturas. Durante muitos anos eu me esforcei para mantê-lo longe de mim, do lado de fora de minhas lembranças e de minha vida, mas agora Mik tinha retornado e encontrado um jeito de provocar rachaduras na minha fortaleza, e eu teria que me esforçar muito para manter essas paredes erguidas e seguras contra ele. Porém, com Hanna, Thomas e Jessica envolvidos, seria muito difícil bancar a Camille fria e indiferente. Aquela que foge e abomina qualquer sentimento bonitinho, que não se preocupa com ninguém porque há muito tempo já não sabe o que é sentir algo por alguém. Aquela que anda lutando constantemente contra os míseros resquícios de sua humanidade, já que ela parece estar insistindo para voltar. O único jeito de manter Mikhail longe dos outros era atraindo a atenção dele para mim, e era justamente isso que eu sempre quis evitar. - Mikhail... Mikhail... Mikhail... - Eu repetia sem parar, como se fosse um mantra do inferno usado para atrair a morte. Enquanto passava pelas ruas, senti que minha visão estava mais intensa. Com certeza, meus olhos haviam mudado e agora estavam vermelhos. Meus caninos projetaram-se e eu estava fervendo de raiva. Precisava me livrar daquele ódio contra Mikhail, pelo menos de parte dele. Precisava encontrar alguém para matar.














Tags: Mikhail, Thomas, Jessica, Hanna e Matthew Costume: Here Car Soundtrack: Nine Inch Nails - Something I Can Never Have

Thanks THE FOX! DO OOPS! e Flying Away from TDN pelo template!




ENCERRADO PARA CAMILLE


Última edição por Camille Bergen em Dom Out 28, 2012 6:20 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Michael Sullyvan
Hibrido
Hibrido
avatar

Mensagens : 437
Data de inscrição : 19/07/2012
Idade : 27
Localização : Anywere

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Dom Out 28, 2012 6:07 pm

A NEW MASSACRE


Estava tudo tão perfeito, a maldita bruxa estava caída ao chão, sob os pés do híbrido e era uma cena que nunca iria sair da mente de Michael. O sangue que estava em sua boca adocicava mais ainda sua vingança e seu trabalho, aliás não fosse atoa que Mikhail havia contratado ele para caçar o pai e agora a filha...
Após alguns minutos de curtição com a queda da outra ele resolveu terminar seu trabalho, mas ouviu ela dizer algo que o deixou com a feição bem irônica.
- Foi você.
Se sentiu mais superior ao vê-la descobrir quem fora o carrasco de seu pai, de repente o sangue que escorria pela garganta do próprio começou a queimar, uma cara de dor foi surgindo em sua face, colocou as mãos no estômago que também parecia queimar feito um ácido corrosivo, ajoelhou no chão e abriu a boca, gotas pingavam no chão, gotas de tom escarlate, o que era aquela maldita dor, foi então que com uma breve força olhou para Eva que com aqueles malditos olhos parecia ter ligação com aquilo, sim, era uma bruxa..
- AHHHHHHHHHHHHHHHH!!!!
Desabou por completo, estava se contorcendo de dor, tudo parecia pegar fogo, mas de forma interna. Eva conseguia se por de pé, os olhos estavam serrados e não conseguia ver o que estava acontecendo por perto apenas sentiu outro impacto ao chão, a sorte era que o híbrido tinha sua cura mais avançadas que a dos vampiros, a dor estava sessando, conseguia respirar e ter forças para abrir os olhos, viu o corpo de seu irmão caído no chão, o ódio na mesma hora subiu de forma devastadora, seus olhos mudaram de cor, foram para negros bem densos, seus caninos ficaram expostos com a feição de ódio.
- EVAAAAAAAAAAAA!!!!
Ele foi se levantando aos poucos, ainda sentida fisgadas, com uma mão apoiada na parede e com a outra no estômago ainda, caminhou até seu irmão e o virou, viu que ele estava apenas desmaiado, olhou em direção ao corredor em vazio, aquilo agora seria uma caça aos ratos, ouviu ela mencionar outro nome..Frederik.
Olhou para seu irmão e acariciou sua face adormecida..

- Me perdoe, irmão..
Abocanhou o pescoço do outro drenando seu sangue aos poucos, não sentia-se mais forte a cada gota que entrava em seu corpo e quando pode sentir-se completo parou, colocou o outro lentamente deitado e se levantou, passou a mão pelos lábios e lambeu em seguida, sabia que o outro entenderia.
Em passos lentos foi caminhando ao corredor, observou os flash das luzes e sentiu que ele teria o trabalho de caçar os dois pela festa, então teria que ser na cautela...

Passou pela porta e começou a se enfiar pela multidão de bêbados, pelo faro conseguiu rastrear a outra que estava perto, com o maldito bruxo, teve que pensar em algo quando pegou um jovem que estava fantasiado de enfermeiro e o virou fazendo ele olhar em seus olhos...

- Você vai ir até o homem vestido de corvo e fará uma cena de desespero dizendo que tinha uma jovem ao lado de fora pedindo por ajuda...Agora vái!
Esperou seu plano fazer efeito, o jovem ia certeiro nos dois bruxos, viu toda a cena, ele estava perfeito, a cara de Frederik estava bem ligada com a cena, foi então que saiu junto com o jovem deixando a bruxa sozinha, sorriu maliciosamente e assim foi se aproximando da outra sem ela perceber, ficou por de trás dela e colocou sua mãos perto do pescoço e se aproximou do ouvido dela indagando baixinho...
- Oi bruxinha..
Ele pressionou seus dedos em um dos pontos de desmaio localizado próximo ao ombro de Eva e assim ela desmaiou naturalmente, aquele apagão não iria demorar muito, teve que fingir estar ajudando ela e assim a colocou em seus braços e se pôs fora do local, sorriu e sumiu do local usando sua velocidade sobrenatural.


ENCERRADO PARA EVA E MICHAEL
[/size]

TAG:Alex, Eva, Mikhail and Frederik| THEME: Linkin Park - Points of Authority | NOTES:Contas acertadas... |

TAG: HERE | WORDS: HERE | NOTES | ORANGE CARAMEL ! @ ATF
Voltar ao Topo Ir em baixo
Matthew Bradley
Lobisomem
Lobisomem
avatar

Mensagens : 49
Data de inscrição : 20/10/2012
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Dom Out 28, 2012 8:17 pm

Trick or treat? Prefer treat!
FLAMES BURN HIGHER, SKIES ON FIRE, FLAMES GET HIGHER...
A preocupação com a bruxa que nem mesmo conhecia o deixou em enorme desvantagem, dando espaço para que o vampiro entrasse em cena. Matthew foi agarrado e lançado por sobre o corpo do vampiro, caindo de costas no chão. A dor foi instantânea e dilacerante, pensou ter fraturado algum osso, mas era somente a tontura e lentidão nos movimentos. Matt soltou vários gemidos de dor ao tentar se levantar, não conseguiria ganhar aquela luta sozinho, se ao menos Jessica estivesse acordada. – Jessica! – Conseguiu chamá-la, mas não obteve resposta alguma. Temeu pela ruiva. Havia sangue demais ao redor de sua cabeça, temia ter falhado, assim como falhou diversas vezes com a mãe, que definhou na cama de hospital até o fim de sua vida. – Jessica é minha! Minha! Assim como todos que eu almejo, seu lobisomem de merda! – O vampiro falava com gosto, parecia satisfeito em ter feito tudo aquilo, havia um brilho de loucura em seu olhar, aquele homem não era normal. Cuspiu no tórax do lobo e riu. Matt não pensava que poderia ficar pior, mas poderia. Recebeu vários chutes que acertaram sua cabeça, suas costelas e pernas, e a dor cada vez ficava pior. Queria berrar para que fosse morto de uma vez, mas mal conseguia falar devido a quantidade de seu próprio sangue dentro da boca. Gritou, mas foi abafado pela mão do vampiro que envolveu seu pescoço, erguendo-o do chão sem esforço algum. Abriu os olhos só o suficiente para encará-lo, tentando ver por trás daquela máscara negra se realmente havia verdadeiros motivos para toda aquela bagunça. Não encontrava traços de sanidade no vampiro, apenas ódio e sadismo. As mãos de Matt tentavam afastar o aperto do vampiro, mas era quase impossível, até que ele pareceu se distrair com outra coisa. Ou melhor, com outro cheiro. O lobisomem não sentia nada além de borracha queimada e sangue, mas agradeceu ao dono do perfume, pois imediatamente foi largado no chão.

Matthew tentou se mover, precisava sair dali, ajudar Jessica, ajudar quem estava dentro do colégio. – Boa noite, meu caro. – Virou o rosto na direção da voz, mal conseguindo enxergar o rosto do vampiro. Sua visão estava embaralhada e fraca, em breve perderia a consciência e acabaria sendo consumido pelo fogo. Pareceu ter se passado séculos, ou talvez apenas alguns segundos até que Matt sentiu algo se aproximar. Tinha cheiro de sangue e perfume feminino, mascarando o odor natural que todo vampiro possuía. – Hey? – Algo cutucou seu pé, queria se erguer e ver quem era, mas estava tão cansado e dolorido que duvidava até mesmo de sua capacidade de falar. O lobo quis berrar para que a moça se afastasse a tempo de escapar do vampiro, mas não tinha certeza se ele ainda estava ali. Não tinha certeza de nada, nem mesmo se estava vivo. Apesar da gravidade dos ferimentos, Matt ouvia muito bem tudo ao seu redor, vozes diversas e passos se aproximavam, deixando a jovem que estava próxima a ele inquieta. Por um segundo temeu que fosse ser morto, mas na verdade, a dona da voz estava fazendo outra coisa. Sentiu o cheiro de sangue se intensificar e logo algo com gosto de ferrugem fora pressionado contra sua boca. – Se você me morder, juro que arranco a sua cabeça. Agora beba. Precisa de força para sair daqui antes que o vejam. – A vampira estava mesmo ajudando um lobisomem? Aquilo era algum tipo de piada? Alguma pegadinha de TV? Mas, não conseguiu esquivar-se do sangue, sentiu o líquido escorrer por entre seus lábios e preencher sua boca, obrigando-o a engolir cada gota que lhe era oferecida.

Receber uma alta voltagem. Era algo parecido com isso. O coração de Matthew pulsou forte ao receber o sangue, duas dores foram lentamente sendo amenizadas. Primeiro nas pernas, subindo para as cotelas e pelo pulmão e só então na cabeça. O zumbido constante em seus ouvidos cessou e era grato pela ajuda da vampira. – Espero que você o tenha arrebentado também. – Uniu as sobrancelhas, encontrando o sentindo da frase em seguida. Então ela sabia quem era o causador de tudo, sabia quem era o vampiro de olhos azuis que levara Jessica. Matthew abriu os olhos, enxergando perfeitamente bem enquanto ainda recebia o sangue. O olhar da ruiva encontrou o seu e ela pareceu um tanto envergonhada por estar ajudando-o. – Ok! Já chega. Isso deve ser mais do que suficiente para você se recompor. – Mesmo depois de se afastar do lobo, Matt ainda continuava observando a vampira, querendo entender tudo aquilo. Abriu a boca para começar a sessão de perguntas, mas ainda sentia pontadas pelo corpo, o sangue ainda não curara tudo e talvez nem fosse curar, já que ele era um lobo e as coisas não funcionavam exatamente como em humanos. – Se estiver se sentindo mais forte, esconda-se! Não deixe que vejam você aqui. Vá embora o mais rápido possível. – Mesmo falando baixo, era possível ouvi-la enquanto se afastava e saltava a cerca lateral.

O lobisomem ficou deitado por mais alguns segundos até que conseguiu se erguer com dificuldade, tossindo algumas vezes devido a quantidade de fumaça que cobria o ar no estacionamento. O cheiro de borracha queimada ficava cada vez mais forte, impossibilitando uma diferenciação de cheiros ali. Matt já estava de pé quando teve noção de tudo o que tinha acontecido, parecia um cenário de filme de terror. Um arrepio percorreu sua espinha quando viu a mancha de sangue perto do carro onde Jessica fora lançada. Estreitou os olhos pensando ter visto algo brilhar ali e aproximou-se mancando, abaixou só o suficiente para agarrar o colar e erguê-lo frente aos olhos. Era um dragão em chamas, com uma bela pedra no centro, estava coberto de sangue e ao que parecia, o colar pertencia à Jessica. Um estalo ao longe despertou a atenção de Matt que olhava fixamente para a joia, avisando que haveria outras explosões ali. Mancando numa velocidade maior, começou a afastar-se do estacionamento, embrenhando-se no meio dos carros para não ser visto e chamar atenção. Uma explosão mais forte iluminou boa parte do local, obrigando Matt a abaixar-se o suficiente para proteger-se dos destroços que voaram para os lados. Tossiu mais algumas vezes, cobrindo o nariz e a boca com o braço, correndo desajeitadamente para o lado de fora do colégio. Quando chegou na rua, respirou fundo o ar mais puro e sentiu-se ainda mais cansado e dolorido. Apertava com força o colar da bruxa entre os dedos sujos de sangue, mas ainda não sabia o motivo daquilo. Olhou a joia por alguns segundos, voltando a caminhar lentamente, mancando da perna esquerda, sujo de cinzas e sangue. Só precisava chegar à pensão inteiro, o resto o sangue da vampira e seu próprio organismo de lobo dariam um jeito.




Fight!
tagged: Jessica, Mikhail, Cassie, Camille
wearing: this / Music: Not Strong Enough - Apocalyptica
thanks nath! @ ops
Voltar ao Topo Ir em baixo
Alysha Ivashköv
Hibrido
Hibrido
avatar

Mensagens : 183
Data de inscrição : 07/08/2012
Idade : 24
Localização : Mystic Falls

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Seg Out 29, 2012 2:31 pm


Trick-or-treat?
All Hallows' Day or Halloween

Estava o dia todo enrolando, enganando a mim mesma de que ir a festa seria um desastre completo. E talvez fosse ser mesmo, o baile não havia sido o melhor de toda minha vida, estava entre os piores, exceto por uma coisa: Koa. Há dias eu não o via, há dias eu não saia de casa, estava entrando numa depressão profunda por estar longe de Londres e toda a agitação das cidades grandes que vivi. Por mais repulsivo que parecesse, sentia falta de Morgan e das nossas constantes discussões, ele tinha seus defeitos, mas era meu pai acima de todas as coisas. Permaneci encolhida na cama, cochilando e acordando várias e várias vezes durante o dia, às vezes acordava suando, gemendo, tento terríveis alucinações. Os fios de cabelo impregnados em minha nuca úmida de suor fazia meu estômago revirar e se comprimir. Era horrível. Quando finalmente encontrei forças e vontade para levantar já era quase noite e a cidade começava a ficar agitada com as comemorações do dia das bruxas. Arrastei-me para o banheiro e fitei o reflexo da garota pálida no espelho. – Um monstro... – Sussurrei, apoiando as mãos na beirada da pia, olhando fixamente para meu reflexo distorcido na torneira prateada. Liguei o chuveiro e tomei um banho frio, que relaxou meus músculos tensos e deu um jeito em meu cabelo, que estava horrorosamente emaranhado.

Sai do banheiro enrolada na toalha e corri na ponta dos pés para o quarto. Procurei por uma roupa confortável para voltar a dormir, mas um vestido branco pendurado nos fundos do closed chamou minha atenção. Lembrava muito um vestido de noiva e olhar para aquela peça de roupa me deu uma ideia. – Talvez, festejar o Halloween não seja tão horrível assim. – Dei um pequeno e rápido sorriso, apanhando o vestido, minhas botas pretas e uma jaqueta de couro da mesma cor. Não demorou muito para que eu me tornasse a noiva de Chucky. Fitei o reflexo no espelho, prestando atenção nos detalhes da fantasia improvisada. Os coturnos estavam desamarrados, a meia arrastão cobria a parte exposta de minhas pernas brancas e o vestido tinha a barra toda rasgada, vesti a jaqueta e pendurei o colar “Bad” no pescoço, jogando as madeixas loiras para frente dos ombros. Meus olhos azuis destacaram-se com o contorno preto da maquiagem e meus lábios não eram vermelhos naquela noite. Eram negros. Sorri, satisfeita com a fantasia e sai de frente do espelho, descendo as escadas rapidamente, apagando as luzes enquanto passava pelos cômodos acesos da casa. Passei pela porta e a tranquei, andando em passos largos pelas ruas enfeitadas de Mystic Falls.

O movimento nas ruas não era muito grande, havia apenas algumas crianças fantasiadas, acompanhadas de seus pais pedindo doces nas casas, o movimento realmente aumentou próximo ao colégio. Antes mesmo de entrar já ouvia a música animada ressoando pelos quarteirões. Desejei que Koa estivesse lá dentro, se divertindo, bebendo e fazendo amigos, mas sabia que aquele não era o tipo de programa preferido do lobo. Ignorei a entrada principal, saltando com facilidade os muros de trás do colégio, caindo em pé nos fundos do campo de futebol. Não tinha certeza se queria mesmo entrar e correr perigos como no baile de máscaras, aproveitar a música sentada do lado de fora me parecia bem mais saudável. Sem muita pressa, atravessei o gramado do campo, ora fitando o céu estrelado, ora fitando meus próprios pés. O vento fresco daquela noite balançou meus cabelos, fazendo-me soltar uma risada baixa ao sentar em uma das cadeiras da arquibancada. O ar tinha um cheiro estranho, além de grama recém-cortada, conseguia sentir cheiro de sangue, e estava bem próximo a mim. Cheiro de vampiro também. Alguém havia sido atacado naquele campo e não tinha muito tempo. Besteira! Travessuras de Halloween. – Dei de ombros, suspirando ao encostar as costas no acento. Algo me dizia que aquilo não era simplesmente uma traquinagem, mas não queria estragar minha noite pensando coisas relacionadas a sangue, morte e monstros. Irônico, já que era Dia das Bruxas.

post with: Klaus Mikaelson, Koa Magaskawee tags: Living Dead Girl by Rob Zombie notes: roupas


template by ree! from Ops!


Voltar ao Topo Ir em baixo
Cassie Ainsworth

avatar

Mensagens : 79
Data de inscrição : 10/10/2012

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Seg Out 29, 2012 6:47 pm


In search of my wonderland...

Go ask Alice when she's ten feet tall!

Place: Halloween Tagged: Jazzie e Samuel Music: The Fray - Little House WEARING: ta na ass

Cassie olhava para o mascarado com a testa vincada, aquela ruga de sempre exposta bem ali, mas antes mesmo de pode dizer alguma coisa, o bruxo se pronunciou. – Então você achou que usar um feitiço no meio de uma festa cheia de seres sobrenaturais como essa,seria a melhor forma de proteger a sua amiga? – Soltou a respiração pela boca, visivelmente incomodada com o termo “amiga” empregado naquela frase, daquela forma, naquele lugar. Cassie não tinha amigos, nunca teve, sempre afastava as pessoas temendo que elas se machucassem ou ate mesmo morressem pelo simples fato de estarem acompanhados de uma bruxa. Foi realmente difícil de engolir a saliva, mas então, o mascarado continuou, cutucando, remexendo suas feridas internas. – Bom, a maioria das pessoas que conheço, não arriscariam a própria pele desse jeito... – Torceu os lábios num bico para o lado direito, olhando dentro dos olhos do rapaz a sua frente. – Bom, eu não sou a maioria das pessoas que você conhece, senhor-sabe-tudo! E eu não tenho amigos! – Não queria ser rude, mas odiava quando seu passado voltava à tona em momentos impróprios. Teria continuado, falado poucas e boas para o bruxinho petulante, mas a voz de Jazzie a fez virar o rosto na direção da loba, tentando prestar atenção do que ela falava. – Minha garganta está seca, se precisarem de mim estarei na mesa de bebidas. – Cassie assentiu com a cabeça, mas sentiu-se ainda pior por ter afastado, mais uma vez, uma futura candidata ao cargo de “amiga da bruxa esquisita”. Seguiu Jazzie com o olhar até que a mesma desapareceu entre as pessoas. Cassie piscou algumas vezes antes de voltar a olhar para o bruxo mascarado. Notou que suas mãos ainda estavam pousadas nos ombros do rapaz e sentiu-se envergonhada por isso, tratou de puxar as mãos rapidamente, deixando-as caírem ao lado de seu próprio corpo.

A verdade era que Cassie não se sentia nada confortável em conversar com alguém que ela nem ao mesmo podia ver o rosto. Ignorou a vergonha súbita e estendeu as mãos em direção ao rosto do bruxo, tomando cuidado com suas garras de coelho, segurou a beirada da máscara e lenta e cuidadosamente foi retirando a barreira entre os dois. Talvez, ela se sentisse mais confortável para conversar com ele... Era muito bonito, aparentava ter a mesma idade que a bruxa, seus olhos eram quase negros, Cassie precisou piscar para voltar falar, tinha a impressão que já vira aquele rosto em algum lugar, só não conseguia lembrar-se de onde. – Sou Cassie – Falou baixo, mas tinha certeza que ele estava ouvido, tinha que estar. – Tenho problemas com... – Olhou para a máscara bizarra em suas mãos e deu um pequeno sorriso tímido no canto dos lábios róseos. – Tenho um problema com máscaras, não sei... Trauma infantil, eu acho. – Não tinha medo de máscaras naquele sentido, e sim as máscaras que as pessoas usavam, as máscaras no sentido conotativo. Tinha medo de pessoas falsas, mascaradas com bondade e sorrisos de plástico, como Lavínia. Mordeu o lábio inferior com força e tentou sorrir mais uma vez, só que fracassou. Respirou fundo e ergueu a cabeça, olhando novamente para o bruxo, antes de falar qualquer coisa, lançou a máscara para o ar, mentalizando um feitiço, e quando a mesma caiu em suas mãos, não era mais uma máscara e sim uma rosa vermelha. Cassie sorriu. Aproximou-se e encaixou a rosa na roupa do bruxo de forma que parecesse parte da fantasia, mas enquanto estava ali, arrumando a flor entre as roupas negras do ex mascarado, sentiu algo pesar no ar da festa, sua cabeça girou, obrigando-a se apoiar no bruxo para não cair. Foi uma imagem rápida, nada certa, havia muita fumaça e fogo, carros sendo destruídos e um vampiro agarrado a uma garota de cabelos ruivos. – Não! – Quando se deu conta, estava encolhida, apertando com força as mãos do bruxo. Sabia que com aquele contato, ele também tinha visto o que ela vira.

Happy Halloween

t a n k s b e e c k y ♥ oops, and M i s s Jackie ♥ tvd
Voltar ao Topo Ir em baixo
Alex Sullyvan

avatar

Mensagens : 64
Data de inscrição : 23/09/2012
Idade : 30

MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   Seg Out 29, 2012 9:16 pm




Happy Halloween



Michael estava com o sangue de Eva em seus lábios, ela estava no chão, por mais que parecesse estranho ele achou tudo divertido. Alex estava de braços cruzados esperando alguma reação um tanto abusiva da outra para com o irmão, ela iria morrer ali mesmo se fizesse algo.
Após ela clamar a descoberta do tal fato de seu pai ser morto por Michael sentiu algo bem estranho, olhou para o híbrido que estava se sentindo agora mal, colocava sua mão no estômago e logo na garganta, viu ela olhar para ele e sim, ela fora corajosa em fazer tal façanha.
- Michael!
Alex olhou para Eva e estendeu a mão..
- Sua...
Eis que outra presença dispersou o bruxo, era outro bruxo só que estava fantasiado de corvo, se virou para ver quem era e foi aquele vacilo que deixou uma brecha para a maldita bruxa também atacar.
Alex sentiu uma forte pressão em sua cabeça, ele colocou as mãos sobre ela e fez uma cara de dor aguda, ajoelhou no chão e logo em seguida caiu, conseguiu ver a cara do bruxo e logo após nada mais, um breu surgiu em seus olhos e assim desmaiou.

Após uma hora desacordado, lentamente os olhos de Alex foi se abrindo, ainda conseguia ver as coisas embaçadas, estava desnorteado e não conseguia se lembrar de muita coisa a não ser da forte dor em sua cabeça, sentia ela ainda, mas estava mais fraca.
Cambaleante ele foi se levantando, um leve gemido e eis que sentiu algo deslizar pelo pescoço, estranhou aquilo e levou sua mão até o tal liquido e quando viu era sangue, havia dois furos e seu sangue estava percorrendo um caminho feito pelo próprio sangue, lembrou-se de Michael, ele havia desmaiado antes, ele havia sentido dor também antes de....

- Eva...
O som do nome dela fez toda a cena vir em sua mente, ele fora a causadora daquilo, ela iria pagar...
Encorava nos armários enquanto tentava se recompor, lembrou-se de outro bruxo também, só sabia que ele estava vestido de Corvo, nada mais, tentou caminhar de forma correta, mas ainda cambaleava um pouco, com uma mão no pescoço e a outra que encostava nos armários para se sustentar ele ia saindo do local, aquela cidade tinha suas surpresas e isso o deixou mais atiçado por ela, então agora seria uma briga certa, encontrar Eva seria um de seus planos, mas naquele momento queria apenas sair e se recuperar de tudo...


Encerrado para Alex


Tagged: Michael Sullyvan, Eva Bulkövsky, Frederik Slaint
Tag: Michael Sullyvan, Eva Bulkövsky.
Post: 006
Musica: Helena - My Chemical Romance
Roupa: Fantasia
Notas: Uma nova inimiga.

thanks, baby doll at oops


Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Evento [Halloween]   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Evento [Halloween]
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 5 de 7Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
The Vampire Diaries Brasil RPG :: RPG The Vampire Diaries :: - :: Área externa escolar-
Ir para:  

A trama do fórum está disponível aqui(LINK).

O fórum está oficialmente aberto, e ele foi resetado ou seja: todos as vagas estão livre, os cannons e avatares foram deletados, assim como as fichas de personagens.

E agora nós criamos mais personagens que não fazem parte da série, e colocamos do jeito que nós queremos, vocês estão livres para pegarem os cannons que quiserem, contanto que falem com a Administração primeiro.